Por que não votar em branco nas eleições?



Certamente você já deve ter ouvido alguma conversa relacionada a politica a onde uma das duas pessoas sempre diz que prefere votar "nulo" a ter que escolher um dos candidatos a presidência que estão disponíveis para votação, e a maioria com razão.

O fato é que se você se preocupa realmente com o que está acontecendo ao seu redor, você jamais irá votar branco, até mesmo por que todo brasileiro, ou qualquer pessoa de qualquer outra nacionalidade não quer ver o país a onde mora jogado para os lados, sem um investimento ou uma direção, caminhando para lugar nenhum. E mesmo que algumas pessoas "roubem" do governo como muitos dizem, ainda sim é melhor do que não ter recurso e projeto algum. Pense comigo: Como seria um pais sem um presidente? É no palácio da alvorada a onde todos se reúnem para poder conseguir chegar até um ponto de melhora para o Brasil. Se não houvesse presidente, os valores que pagamos em taxas que vão para o governo referente a tudo o que compramos, seria exorbitante.

É no governo que conseguimos chegar a algum lugar, não importa a onde: Valores de medicamentos, mais médicos, atendimentos, construção de rodovias, e diminuição de impostos e dos valores de tudo o que compramos. Se não houvesse um presidente, as empresas iriam vender seus alimentos para outras empresas que trabalham com revendas (supermercados, medicamentos, e tudo mais) por um preço que ninguém conseguiria pagar, e ninguém pagaria taxa ou imposto referente a nada, e isso não seria a nossa saída, né? Se com um salário de R$724,00 ninguém consegue manter uma casa, imagina com menos que isso ? 

Algumas pessoas podem até dizer que desde Fernando Henrique, o governo não foi valorizado em nada (alguns até acham que nem no governo de Fernando Henrique). Isso por que julgam pelas histórias que vêm na internet, ou por fatores verídicos aos quais transpassam a rede de televisão. Nestas eleições, os candidatos a presidência (mais votados para tal cargo) são: Aécio Neves, Dilma Rousseff, Marina Silva.

Vamos analisar o passado de cada um deles e ver o que cada um tem a oferecer?

Aécio neves: Foi julgado por um desvio de dinheiro público de mais de R$ 43.000.000.000 (quarenta e três bilhões de reais) que estavam previstos para aplicações na área da saúde, isso nos anos de 2003-2008. (fonte). Aécio é investigado pelo desvio de R$ 4,3 bilhões da área da saúde em Minas e pelo não cumprimento do piso constitucional do financiamento do sistema público de saúde no período de 2003 a 2008, período em que ele foi governador do estado. Se tivesse sido culpado (o que não foi) ele ficaria inelegível para qualquer tipo de cargo.

Dilma Rousseff: Envolvida em escândalos relacionados ao mensalão, relacionada a acusações de porte de arma, drogas e formação de quadrilha, acusada de desvio de dinheiro. Nunca cumpre com o que diz: Lembram-se do trem bala que ela disse que iria ligar SP e RJ para copa deste ano? Então, a copa acabou, e o trem bala ficou a onde mesmo ?  Também abandonou a obra da transposição rio São Francisco. Queima e queimou a imagem do Brasil com outros países com suas promessas mais que absurdas. Quer mais ? Aqui tem uma publicação com sete itens e motivos que nos mostram por que não votar em Dilma.

Marina Silva/Eduardo Campos: Claramente, as boas intenções de Eduardo Campos, ficaram sempre guardadas em nossos corações, meus pêsames a família e amigos e a Pernambuco que perdeu um filho. Vamos falar de Marina Silva, que foi eleita a candidata a presidência vindo a substituir Eduardo Campos. Veja abaixo o plano de governo de Marina Silva:

Primeiro eixo
Estado e democracia de alta intensidade: o partido quer “reformar” o Estado brasileiro e o uso da tecnologia e da mídia digital para ampliar a democracia. Defende ainda o fim de "disputas personalistas", o fim do abuso do poder econômico e a "superação do clientelismo". Para tanto, defende a realização de uma reforma política e uma reforma da administração pública.
No trecho que aborda a reforma política, o PSB defende instituir a possibilidade de candidaturas avulsas, sem necessidade de filiação partidária; rever a atual lei de financiamento eleitoral; ampliar instrumentos da democracia direta, como os plebiscitos; diminuir as assinaturas necessárias para projetos de lei de iniciativa popular; e acabar com a reeleição para cargos do Executivo.
Na reforma da administração pública, o partido de Eduardo Campos defende diminuir a quantidade de cargos em comissão; ampliar o uso de tecnologias da informação e comunicação; modernizar o sistema de compras públicas; remodelar os sistemas de controle e fiscalização da gestão pública; introduzir o princípio da transparência em toda gestão pública; e assegurar acesso irrestrito a dados pessoais mantidos pelo governo e instituições privadas.
Segundo eixo
Economia para o desenvolvimento sustentável: a aliança PSB-Rede defende valorizar pequenas e médias empresas, implementar uma economia que produza baixa emissão de gás carbônico (CO2), modernizar a agricultura e "reformular" a reforma agrária.
Na política industrial, o PSB afirma que vai investir em tecnologia, aumento da produtividade e desenvolvimento de uma “política de inovação”. O partido diz ainda que dará prioridade ao fortalecimento de atividades relacionadas à econômica solidária. Para isso, irá fomentar pequenos negócios e inserir produtos da economia familiar no mercado.
No turismo, Campos prometeu estimular a capacitação de mão de obra, fomentar programas de divulgação interna e externa dos destino turísticos e criar parcerias com municípios pela preservação de locais turísticos.
No campo da energia, o PSB quer ampliar fontes limpas e renováveis, com o desenvolvimento de energia eólica, solar e biomassa (cana de açúcar).
No setor de transporte e logística, a aliança PSB-Rede promete ênfase em ferrovias, hidrovias e sistemas híbridos, que combinem biocombustíveis com eletricidade.O PSB propõe integrar, na primeira infância, política educacional e de saúde, apoiar criação de creches com instalações modernas, condição de higiene e profissionais qualificados.
Terceiro eixo
Educação cultura e inovação: neste tópico, Eduardo Campos diz que o foco será a erradicação do analfabetismo, a ampliação da política de cotas e a integração entre educação e cultura, com a abertura de escolas à "diversidade cultural" do país.
O partido defende ainda, nas diretrizes apresentadas, universalizar o acesso à educação de qualidade para todas as crianças de 4 a 17 anos. Para melhorar a qualidade do ensino, a proposta é valorizar os professores, com estímulo a programas de capacitação. O PSB promete ainda criar planos de carreira e salários em todos os estados e municípios.
No campo do financiamento de atividades educacionais e culturas, a sigla propõe criar incubadoras de base tecnológica, ampliar recursos para extensão universitária, estimular projetos culturais, e reorganizar os conselhos de educação.
Quarto eixo
Políticas sociais e qualidade de vida: a aliança PSB-Rede diz que reforçará o Sistema Único de Saúde (SUS), a atenção básica de saúde e o atendimento a famílias.
Defende ainda adequar os atuais programas sociais às diferentes realidades regionais e mobilizar o setor empresarial para participar do esforço de erradicação da pobreza, por meio da associação e execução de políticas e programas sociais integrados.
No campo da saúde, o PSB propõe articular programas de prevenção e promoção da saúde. O partido promete ainda aumentar os gastos federais com o setor com base na Receita Corrente Bruta da União.
Quinto eixo
Novo urbanismo e pacto pela vida: o PSB promete melhorar a mobilidade urbana, investindo no transporte coletivo em "todas as suas modalidades". Para resolver o problema da segurança pública, o partido propõe uma "reconciliação" entre a periferia e as áreas centrais das cidades. Para a sigla, o acesso a transporte, cultura e lazer deve contribuir para gerar uma "cultura de paz".
O partido promete desenvolver ações para reduzir o déficit habitacional, de forma integrada com outras políticas públicas, como transporte, mobilidade urbana, saneamento ambiental, saúde, lazer e cultura.
Entre as diretrizes inseridas no quinto eixo está ainda a ampliação de investimentos em saneamento básico, a extinção de lixões,  e implementação de uma “cooperação interfederativa” para a melhoria de indicadores sociais e econômicos nas cidades brasileiras.
Com relação à segurança pública, o PSB promete enfrentar o tráfico de drogas e apoiar estratégias de atenção aos usuários, desenvolver serviços de inteligência no combate de facções criminosas e criar políticas públicas de atenção à população mais vulnerável.
Vote em quem se preocupa com você.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.