Deus não está morto | Review, Avaliação.

Nome original: God's not dead
Direção: Harold Crank
Roteiro: Cary Salomon / Chuck Konzelman
Elenco: Kevin Sorbo, Shane Harper, David. A. White, Dean Cain.
Gênero: Drama
Musica tema: Will Musser - Newsboys
Cinematografia: Brian Shanley
Edição: Vance Null
Estúdio: Pure fix Entertainment, Red Entertainment group
Orçamento: Dois milhões
Bilheteria: 62 milhões de dolares
Nota:6/6




Resumo do filme: (Contem spoilers)



ImdDB

Josh Wheaton (Shane Harper), um jovem cristão, se matricula em uma universidade que possui aulas de filosofia administrada pelo professor Jeffrey Radisson (Kevin Sorbo), um ateu, que exige que seus alunos em uma declaração de que "Deus está morto" para obter uma nota de aprovação. Josh é o único aluno da classe que se recusa a assinar e depois é meio que forçado por Radisson à debater o assunto e (provar)que Deus não está morto — que conjunto da classe —, decidir quem ganha.O professor dá a Josh vinte minutos no final de três seminários para argumentar que Deus existe. Nos dois primeiros debates, Radisson tem contra-argumentos para todos os pontos de Josh. Kara, a namorada de Josh (Cassidy Gifford), termina com ele, temendo o seu futuro acadêmico, por causa do professor. Em última instância, tudo se resume ao terceiro e último debate entre aluno e professor, onde mais uma vez tem pontos coniventes. Josh então interrompe sua linha de raciocínio para fazer uma pergunta ao Radisson: "Por que você odeia Deus?". De imediato, Radisson não respondeu. A pergunta foi refeita, e então o professor explode de raiva, afirmando que ele odeia Deus pela morte de sua mãe, que o deixou sozinho, apesar de suas orações. Josh então casualmente pergunta "como ele odeia alguém que não existe". No final, Martin (Paul Kow), um estudante de moeda estrangeira, cujo pai o incentivou a não se converter ao cristianismo, se levanta e diz "Deus não está morto". Quase toda a classe segue o exemplo de Martin, e Radisson deixa a sala derrotado.Fora do contexto dos debates, uma série de subtramas periféricos relacionados se desenvolve. Josh, além de debater com seu professor nas aulas, tenta converter ao cristianismo seus colegas. É contado a história também de uma estudante muçulmana chamada Ayisha (Hadeel Sittu), que se converte, porém é deserdada por seu pai quando ele descobre por causa de seu irmã



Google

Como cristão, eu nunca havia encontrado um filme que me despertasse tanto o interesse quanto este. Deus não está morto, conta a história de Josh Wheaton(Shane Harper), um jovem de dezoito anos que ingressou a pouco tempo na universidade e precisa de notas em algumas matérias para seu curso de direito, e uma delas é filosofia.


Josh namora Kara (Kassidy Gifford) que é uma adorável e doce garota com quem já está a exatamente seis anos. Durante um curto período de tempo, Josh conhece seu Professor Jeffrey Radisson (Kevin Sorbo), que de cara propõe a todos os alunos algo inusitado... Que todos escrevam em uma folha a seguinte frase: Deus está morto. Claro que como um jovem cristão e convicto, Josh jamais toparia fazer algo do tipo, e o que vem a seguir?

Todo cristão sofre com sua crença e disso todos já sabemos, o mundo reprime tudo, e todos, e o filme aborda exatamente a repressão da religião do garoto. O professor completamente ateu então lança um desafio ao aluno: Se ele conseguir fazer toda a sala que já estava convencida da não existência de Deus mudar de ideia em quatro palestras de vinte minutos que ocorreriam no decorrer de um mês, Josh não seria reprovado, caso contrário: Perderia a chance de conseguir qualquer diploma em sua vida.

Porém, não é só disso que se trata o filme, por mais que seja o foco principal. Enquanto a vida de Josh é contada, a vida de outras pessoas que aceitaram seguir Jesus, ou que tinham algum problema em suas vidas para poder segui-las, por consta da família, dificuldades, doenças e tudo mais.

O filme é fantástico é praticamente impossível você não grudar os olhos e se emocionar. Os argumentos de Josh são fantásticos e farão você ter uma visão diferente sobre o cristianismo, ou enxerga-lo de uma forma como você nunca enxergou.

O filme mostra a realidade dos dias de hoje sobre o ateismo: A falta do conhecimento sobre a palavra que salva. Talvez eu esteja um pouco distorcendo, por que existem muitas religiões por ai, que pregam Deuses diferentes, e salvações diferentes. Mas, no filme verão que estou certo, ele também com a história de Ayisha (Hadeel Sittu), uma jovem muçulmana que decide seguir Jesus, e ir contra os princípios e crenças de sua família.



Wikimédia


O filme propõe que todos enviem uma mensagem escrito "Deus não está morto". A pelo menos cem pessoas da sua lista de contato. A atitude é linda, e eu já fiz a minha parte, por que você não faz a sua ? Falando em fazer a nossa parte... Devemos nos lembrar que viemos para pregar o evangelho de Jesus a toda criatura viva (Marcos 16:17), e é nesse fundamento que o filme acontece "Pregar o evangelho de Jesus por amor" e defender sua crença.


O filme mostra o abalo que um ateu tem ao sentir a verdadeira presença de Deus, ao se sentir tocado. Muitos se sentiram tocados a ponto de começar a seguir Jesus. Isso pode ser o que pode mudar o mundo: Falar de Jesus, pode salvar vida! Façamos a nossa parte.


Aqui vai um trecho do filme, que me emocionou e muito:






Acho que já falei de mais, né? Vocês podem fazer o downloads do filme no mediafire, mega, ou no minha teca.

Referências:

  • IMBD - God's not dead, Pictures.
  • Adoro cinema 
  • Wikipédia a enciclopédia Livre.
Tecnologia do Blogger.