Carta aos gays MACHISTAS



Parece mentira, mas não é. No meio Gay, ainda existem pessoas escondidas, pessoas com medo de lutar pelos seus direitos, e pessoas que não tem a ousadia e a coragem de dar a cara a tapa. E o pior de tudo isso não é saber que pessoas estão presas a estereótipos sexuais criados pela sociedade, mas sim, saber que estes que tiveram a ousadia de mostrar para todos quem são, e o que são e o que querem, estão tendo problemas não somente com quem está de fora, mas também com quem está do lado de dentro.

No meio Gay existe ainda (digo com muita tristeza), muito, muito machismo. O que anda destruindo o sentido de tudo. Se nós já enfrentamos o mundo lá fora, o preconceito, as mortes, as agressões verbais e físicas, ainda vamos ter que tolerar isso dentro meio GLS? Até quando? Para você que não faz ideia do que é Machismo, vamos á uma breve definição do dicionário online:



Em outras palavras: O orgulho de ter um "pau" no meio das pernas de forma exacerbada (exagerada), de forma pejorativa para com os outros, tanto com mulheres, como com gays, como vem acontecido em nosso meio.

Vamos á algumas formas de machismo que provavelmente você já deve ter presenciado em sua vida:


  • Acreditar que todo afeminado é passivo é machismo;
  • Achar que mulher não pode e não deve agir dentro do mercado de trabalho fora dos limites de sua residência;
  • Achar que agressão e "uma conversinha" resolve tudo e qualquer coisa;
  • Achar que o fato de você ser homem te faz melhor que sua mulher, companheira, ou o fato de você ser ativo, ser melhor ou mais desejado que seu namorado.
  • Achar que por ser o "alfa" da relação merece saber de todos os passos do namorado. Isso não é obrigação de ninguém é relação, e se a sua não está fluindo é melhor terminar, não acha?



Está cada vez mais claro que em nosso meio os homossexuais estão se desvalorizando cada vez mais, como se não valessem mais que os outros. E um dos lugares a onde você mais encontra machistas e encubados, enrustidos, ou como preferir chama-los, é no aplicativo de pegação gay "Grindr". 

Para quem não sabe o Grindr é um aplicativo que usa o serviço de localização fornecido pelo seu celular para rastrear áreas de até duzentos quilômetros para que você possa conhecer o seu par ideal. Nele são selecionados na página inicial um "menu" (se é que posso chama-lo assim) de homens próximos de você que podem ou não estar buscando os mesmos interesses que o seu. 

O que mais me chama atenção no aplicativo não é a quantidade de pessoas que estão nele, mas sim a quantidade de usuários que em suas fotos não mostram o rosto. A maioria só te manda foto do rosto quando você manda uma sua, ainda sim que no seu perfil tenha uma. E na maioria das vezes são homens casados que temem problemas ao terminar com suas mulheres para assumir o que realmente gostam, ou estão afim, ou até melhor - abrir o jogo para sua mulher e tentar um jogo a três - .

E na maioria das vezes estes sensuais pretendentes com fotos dos bíceps, tríceps, do abdome ou de qualquer outra parte do corpo, tendem a deixar claro na descrição "Antes de chamar, manda foto. Não curto afeminados". O que dizer disso ? Vamos á uma breve descrição de um usuário não passivo, completamente hétero, mas que por uma infeliz coincidência está registrado em um aplicativo de pegação gay.  A descrição abaixo foi uma criada por mim, com base nas milhares que vi no aplicativo. Sendo ela: 



Procura-se um companheiro que esteja afim de relacionamento sério, mas que de preferência não seja assumido, e muito menos afeminado. Não curto fazer oral, e odeio fio terra. Estou afim de caras que topam um relacionamento aberto, sem frescuras. Não sou assumido, tenho vinte e seis anos. Interessados, chamar no privado, ou no whatsapp (xx)xxxx-xxxx.



Agora, como eu acho que deveria propriamente ser:

Já que o aplicativo é para putaria, procuro quem foder, ou alguém para foder. Gosto de homem, então não me venha com conversa e nem se atreva em iniciar uma, caso você seja afeminado, se eu gostasse de mulher estaria com uma. Não gosto de fio terra, por que por mais que eu fique com homens, eu sou o ativo, e isso não faz de mim gay, já que eu não dou, sou casado e quero apenas te foder na calada da noite, interessados em sexo fácil com quem tem problemas de aceitação, e excesso em machismo, chamar no inbox, ou whatsapp (xx)xxxx-xxxx.

No final de tudo, eu acabei falando mais de enrustidos do que do próprio machismo, né? Pois bem, vamos a nossa querida carta:

Oi queridíssimo amigo, queria lhe informar que a sua mulher já sabe de nós, e sinto te informar, mas ontem você saiu sem se despedir, eu sei que nos conhecemos em uma balada, e que você não curte afeminados, por que acha que é a vergonha do movimento lgbt, e sei que você também usa discursos heterofóbicos como:

  • Você não é gay isso é só uma fase, o dia em que você encontrar a garota certa, você vai sair dessa ilusão.
  • Acredite, eu também já passei por isso, é só uma fase.
  • Eu não sou gay, eu sou ativo
  • Se eu gostasse de mulher, sairia com uma, não gosto mesmo de homens afeminados.
  • Vai na minha, ele é muito afeminado, deve ser mais passivo que você, melhor você investir em outro.
Ser ativo não o torna menos gay do que o carinha com quem você sai e faz o papel do passivo e te faz virar os olhinhos durante a noite, e que quando some do mapa, você quase morre de ciumes e mil e uma cenas passam pela sua cabeça. Você também não é mais ou menos gay do que alguém só por que sai com garotas, beijar na boca delas é fácil, quero ver fazer sexo - e se fizer, não é heterossexual, é bissexual - se quer ser gay, que ao menos faça direito.

Não sei se te informaram mais o seu perfil nas redes sociais a onde você não mostra o rosto e se acha a ultima bolacha do pacote, foi excluído, justamente por que outros se uniram e fizeram tipo um abaixo assinado para que seu perfil fosse removido, e sabe por quê? Por que você também tem um perfil em uma rede social exclusiva para gays, e os gays, sofrem uma perseguição, algo que acabou chegando até você, por que você não é menos gay do que seu amiguinho, só por que você não dá o rabicó. E por favor, não venha me dizer que meu amigo barbie é passivo, por que ele é mais ativo do que eu e você juntos, e por falar em mais macho: Ele costuma falar na cara e colocar a cara no sol quando fica com alguém, ele não tem um perfil privado em uma rede social de foda com um perfil sem foto, ou com uma foto incompleta. 

"Tá tudo bem você ser passivo, desde que não seja afeminado", olha esse discurso fez toda diferença na minha vida, e eu até tinha algo para te falar, mas eu não sabia o que iria acontecer conosco naquela noite, então me calei, e vou falar agora: Tá tudo bem você sair com caras gays e ter um perfil em uma rede social gay e fazer sexo com estes caras e continuar sendo heterossexual, só que como um verdadeiro e viril heterossexual tinha mais era que ter a obrigação de não broxar no meio do caminho.

O seu machismo nasceu de um padrão gay imposto pela sociedade heterossexual que impõe o seguinte: Pode ser gay, desde que não beije em público, nem se agarre, nem ande de mãos dadas, nem vista como uma mulher, nem se sente como uma e muito menos aja como se fosse uma. Querido, somos todos farinha do mesmo saco.

Homem não pode cozinhar, homem não pode ter a voz fina, homem não pode andar rebolando, homem também não pode dançar funk, ou qualquer outro ritmo que fuja do padrão hétero de dançar - que geralmente é só movimentar o corpo levemente, sem sair do lugar, ou um leve rasta pé -. Que atinge diretamente a esfera do machismo, que dai não pode. BICHA, melhore, por favor.

Ser afeminado não implica em nada na sua vida, então não tem por quê você querer falar da minha. Ah, antes que eu me esqueça: São os afeminados que saem nas ruas pedindo direito, são eles que dão a cara a tapa, e que enfrentam quem for para terem seus direitos, para que quando você decidir sair de dentro do seu armário de Alice no país das maravilhas, você consiga enxergar de fato a realidade e curtir a vida, livre, leve e feliz.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.