[ANÁLISE] Deus não está morto

Titulo: Deus não está morto
Titulo original: God's not dead
Ano: 2014
Diretor: Harold Cronk
IMDB: 4,1
Imprensa: 4,1


Sinopse: Josh Wheaton (Shane Harper), um jovem cristão, se matricula em uma universidade que possui aulas de filosofia, administradas pelo professor Jeffrey Radisson (Kevin Sorbo) — um "ateu" — que exige que seus alunos entreguem-lhe uma declaração de que "Deus está morto" para poderem obter uma nota de aprovação. Josh é o único aluno da classe que se recusa a assinar e por isso Radisson exige que ele debata o assunto, de modo que o estudante tenha de provar que Deus não está morto; mas permite que o conjunto da classe decida quem ganha.

Claro que o filme impressiona - e muito - pelo fato de ter custado uma barganha de U$ 2 milhões e arrecadado mais de U$ 60 milhões. É ou não é, algo impressionante?

Hoje iremos avaliar toda a trama do filme e comentar alguns pontos que com toda certeza poderiam ter sido levados em consideração durante a sua produção.


Enredo


Para inicio de conversa,  a história é muito, muito previsível. Os produtores preferiram trabalhar com um personagem revoltado com Deus, do que com um ser realmente ateu. Percebe? não tem um ateu real no filme, tem apenas um professor frustrado com Deus, em relação ao que ele havia feito com sua mãe quando ainda era criança. Ele não era ateu, era apenas um cristão desacreditado, já que o Deus que a sua mãe pregava para ele quando criança, todo cheio de amor e bondade decidiu leva-la cedo de sua vida terrena, causando um impacto profundo na criança, que cresceu com um desgosto imenso na alma, e acabou se tornando alguém anti-teísmo, nem tanto ateu.

E para fazermos a nossa avaliação e análise do filme, precisamos entender um pouco do que a história passa para o telespectador. Analisemos alguns pontos:


Primissas cristãs

Um cristão segundo a palavra de Deus é chamado para espalhar o evangelho por todos os confins da terra e falar do amor de Deus. Essa ideologia adotada pelas escrituras, recebeu um nome, chamado: Proselistismo, que significa:

Substantivo masculino que define a ação ou empenho de tentar converter uma ou várias pessoas em prol de determinada causa, doutrina, ideologia ou religião.

Exatamente como funciona na religião: Em prol da sua salvação, você precisa crer. E como em alguns casos a pessoa não tem acesso a palavra ou disposição para lê-la, ou até acabam lendo, mas são leigos e não possuem revelação, acabam dependendo de pessoas para pregarem para ela sobre absolutamente tudo. E ai entra a igreja: O papel da igreja é certificar de que a palavra seja entregue da forma mais fiel possível as escrituras, sem baboseiras, ou enganações.


Primissas ateístas

Ao contrário do que o filme busca mostrar, o ateu, ou o ateísmo não nasceu na descrença de um Deus, por que alguém que iniciou o "movimento" foi ferido. Algumas pessoas simplesmente não se contentam com o que está escrito no livro sagrado, e querem outras provas da existência de Deus que realmente prove que ele existe, e só esse pensamento já contradiz bastante o significado de fé, que quer dizer "acreditar naquilo o que não se pode ver", essa é a base não somente da igreja cristã, mas de todas as outras religiões.

Ateus não acreditam por que não vêem indícios para acreditar, nem físicos, nem históricos e nem científicos. Ninguém se torna ateu, ou a pessoa é, ou ela não é. E não há pessoa capaz de converter um ateu, por que essa pessoa não acredita em nada do mundo espiritual, o Deus de uma pessoa ateísta é a ciência, a biologia e a filosofia.

E o "ateu" abordado no filme, é apenas um cristão com mágoa no coração, ele é apenas um alguém revoltado com o que acontece em sua volta.


O óbvio


O filme não tem uma base sólida posicionada no ateísmo. Ainda sim que o debate do professor com o aluno tenha sido todo filosófico, tudo o que Josh fez, foi reafirmar suas ideias cristãs. Da mesma forma, o professor não tinha outra base a não ser a filosofia, mas mesmo tendo acesso a tanto conhecimento na área da filosofia, isso não fazia dele um ateu. Tanto que no final do filme ele acaba entregando sua vida á Jesus, para ser salvo.


O que eu esperava


É claro que todo o filme é emocionante, e cada um dos personagens mexe conosco de uma forma diferente, e a trilha sonora também estava ótima e cada qual alinhada na cena em questão a qual deveria pertencer, ficou perfeito. Embora eu espera um debate que não tivesse tantas opiniões próprias, eu achava que como cristão, eu iria assistir á um filme que desafiaria tudo o que já vi e senti, mas não... Foi tudo igual ao mesmo, tudo muito previsível.

Se a pessoa tem direito de acreditar, outros deveriam ter o direito de não acreditar, e ninguém poderia querer de uma forma ou outra enfiar isso na sua garganta, te fazendo dar oportunidades e abrir portas para pensamentos e ideologias que você não adota para sua vida, ideias que você não apoia e não acredita.

É claro que mesmo vendo o trailer antes do lançamento em 2014, eu achei que eles pudessem se superar e criar algo que fosse além do que o trailer mostrasse.


Um comentário:

  1. Olha que interessante, eu assisti esse filme faz apenas dois dias e assim como você esperava algo que fosse grandioso e tudo o que eu vi foi mais do mesmo, comparando este filme com o filme "Desafiando Gigantes" esse último cumpre muito mais o efeito de fazer acreditar em Deus, ambos são totalmente previsíveis, mas "Desafiando Gigantes" tem um contexto muito mais elaborado.

    Luna Amil. Canto da Lua

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.