Precisamos conversar sobre a cultura do estupro

REVISTA, SUPER INTERESSANTE

Não vamos apenas abordar o estupro nesta publicação, mas também toda impunidade existente no Brasil: denúncias, leis que não funcionam, e a importância do feminismo.

Um usuário do twitter publicou ONTEM um vídeo de uma garota sendo estuprada por mais de 30 homens. O responsável pelo ato do estupro coletivo se chama Michael, que também é responsável pela divulgação de imagens do ato nas redes sociais - Imagem e vídeo -. 

No Brasil, o estupro é considerado crime pelo artigo 213 do código penal. Mesmo com todo o alvoroço criado pelas divulgações (e não foi por menos), os autores da ação parecem não se importar com outros usuários comentando os fatos, compartilhando, e denunciando sua conta.

Após algumas horas, a conta de Michel foi suspensa, porém as imagens continuam circulando na internet. O pior de tudo foi o fato de, mesmo depois de desacordada, a garota continuou a ser estuprada por todos os outros violentadores, que não se contentaram em expor e humilhar a mulher, como também sentiram a necessidade de chamá-la por palavras que nem compensa expor neste texto.

E há ainda quem defenda os agressores, dizendo que é necessário ver os dois lados da moeda, porque, de certa forma, talvez a vítima tenha provocado o acontecimento. WHAT?

Vamos à alguns dados relacionados ao estupro no Brasil. 

De acordo com o G1, 58,5% da população brasileira acredita que o comportamento feminino pode - e vai - influenciar diretamente em um caso de violência contra  mulher, seja lá qual for ele. Agora analisemos a seguinte tabela:


Agora, outro dado bastante curioso: No Brasil, estima-se que aconteça em média, 13 assassinatos contra mulheres. Mesmo tendo 6 milhões de mulheres a mais do que homens no nosso território, elas ainda são chamadas de vítimas quando são violentadas, e sabe por quê? Por que elas buscam, procuram. Afinal, é bem típico de mulher ser sensual e provocar um estupro e desejar a própria morte, não é mesmo? E é bem típico do Brasil este tipo de pensamento.

Não é atoa que estes 58,5% de entrevistados são um bando de desinformados.


IMPUNES

Vi e vejo a todo momento muitas pessoas comentando sobre o ocorrido: "Vão apodrecer na cadeia", "Na cadeia existem outros vários estupradores esperando por vocês". Mas dá para saber se eles realmente vão ser punidos como merecem? Vamos analisar como funciona o sistema carcerário no Brasil:

3. Enquanto presos, a família recebem auxilio-reclusão até que eles possam retornar às ruas. 

E se dentre os envolvidos houver algum menor, ele será levado para a Fundação Casa, ficará um ou dois dias detido e será liberto no dia seguinte. E adivinha? Quando chegar à maior idade, terá sua ficha completamente limpa, sem nenhum antecedente criminal.

Estes são os reais motivos pelos quais acreditamos, e temos a plena convicção, de que os responsáveis pelo estupro não estão nenhum pouco preocupados com a prisão, porque lá será como a casa deles: Televisão, churrasco, internet, celular e ainda por cima... Dinheiro para ficar sem trabalhar (?). Que tal todos irmos presos? São tantos os benefícios que estou até refletindo se compensa mesmo ser um homem livre e trabalhar todos os dias para ganhar o lixo de piso que o Brasil paga.


Cultura Machista

É claro que ela provocou não é mesmo? Este é o único argumento de pessoas machistas. E, o que mais me preocupa, é o fato de também existirem mulheres machistas, que apoiam e acolhem para si as ideias de um grupo tão misógino, que tira todos os direitos da mulheres.

Agora se você acha que você não é machista, existe uma grande possibilidade de você ser, e isso é algo horrível. Machistas contribuem SIM para que acontecimentos tão barbáros como este aconteçam todos os dias em nosso meio. E é preciso parar a todo custo com o machismo.

Machismo é a supremacia dos homens sobre as mulheres. E é por isso que eu luto pelo feminismo (que é o contrário de femismo, que é a supremacia das mulheres sobre os homens). O feminismo luta por direitos iguais entre homens e mulheres, acabando de vez com a supremacia.

Se você acha que:

1. Tem o direito de mandar sua namorada/mulher trocar de roupa por que ela está com cara de puta;
2. De controlar com quem ela fala ou deixa de falar;
3. Monitorar o celular dela e as redes sociais;
4. Ameaçar de terminar o relacionamento por que ela se recusou a transar com você porque estava sem motivo, ou pior: Fazê-la transar com você sem que ela esteja com vontade.
5. Achar que, por algum motivo, você precisa diminuir a sua companheira para que você seja colossal, maravilhoso;

Você, meu amigo, está sendo machista e está causando um relacionamento abusivo.


Direitos da mulher

A mulher tem direito de fazer tudo o que ela bem quiser. A sociedade nos impõe um padrão tão forte de como as coisas são que muitas vezes as mulheres acabam sendo reprimidas em nosso meio.

Lugar de mulher não é na cozinha, meu amigo, é a onde ela quiser. O fato de uma mulher usar uma roupa curta ou roupa mais leve e solta no corpo, não significa que ela queira propositalmente chamar atenção de algum homem ou de seduzi-lo sexualmente.

Um exemplo: Vamos supor que você tenha uma filha de quinze anos que está passando para os dezesseis anos de idade. Provavelmente ela está com os hormônios à flor da pele e seu corpo está em fase de desenvolvimento, que é quando as mamas se desenvolvem e o ciclo menstrual avança (ou inicia, varia de idade). Provavelmente não tenha passado pela sua cabeça, mas existem muitos caras por ai que acham ela "muito gostosa" ou sonham em "fazer um amorzinho gostoso" com ela, sem ao menos você saber. Muitos dos homens que tem esse pensamento podem estar na sua família ou no seu roll de amigos.

Agora eu te pergunto: Se a sua filha fosse estuprada, você consideraria um crime, ou perguntaria para ela: Que roupa você estava usando?

Para cada 6 mulheres mortas no Brasil, 10 homens homens morrem. E aí você me pergunta, "e agora, hein?". Mas a taxa de criminalidade maior é por conta dos homens, inclusive os estupros, que são os homens quem cometem, em sua maioria.


O que você pode fazer

A jovem foi estuprada até ficar desacordada e continuou sendo estuprada por outros homens até que a fila se encerasse. Depois de toda a atrocidade, os agressores e violentadores resolveram tirar fotos e filmar para divulgar na internet.

Se você ficar sabendo de algum caso de estupro, você pode denunciá-lo o mais rápido possível. Se foi com você o ocorrido, busque se aconselhar e se abrir com quem você confia para poderem ir juntos até a delegacia de policia mais próxima.

Se você não fizer, o estuprador ficará livre para fazer novas vítimas.
Precisamos conversar sobre a cultura do estupro Precisamos conversar sobre a cultura do estupro Reviewed by Vitor Lessa on quinta-feira, maio 26, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário

Filmes