+30 Livros para quem ama Psicologia/Psicanálise

PSICOLOGIA VIVA
A psicologia é uma das áreas mais apreciadas na atualidade pela maioria das vezes, justamente pelo seu campo de estudo: Comportamento humano e funções cerebrais. 

A psicologia é a ciência que estuda o comportamento humano, o cérebro e suas funções. O objetivo é a compreensão do comportamento de grupos de pessoas ou de casos específicos.

Um profissional desta área é também conhecido como psicólogo, que tem como função compreender as necessidades comportamentais e sociais de um individuo através da análise fisiológica, biológica e comportamental social do individuo em questão. E pensando nos inúmeros fãs desta área, separamos hoje uma seleção de cinquenta livros sobre psicologia que você precisa ler. 

1. Complexo de cinderela



Colette Dowling explora suas idéias acerca da psicologia feminina. Segundo ela, as mulheres desejam ser cuidadas e aliviadas das responsabilidades essenciais para consigo mesmas.






2. A carícia essencial e psicologia do afeto:

Chega de viver entre o medo e a raiva! Se não aprendermos a viver de outro modo, poderemos acabar com nossa espécie. É preciso começar a trocar carícias, a proporcionar prazer, a fazer com o outro todas as coisas boas que a gente tem vontade de fazer e não faz, porque “não fica bem”mostrar bons sentimentos! Neste livro o autor, numa linguagem simples, coloquial, faz uma análise dos caminhos que as pessoas têm para demonstrar o amor.

3. Uma vida para o seu filho



Neste final de século, sufocado pelo excesso de terorias complexas ou contraditórias sobre o relacionamento de pais e filhos, não é de se surpreender o sucesso obtido por Bettelheim com este livro. Sua simplincidade atinge todas as questões sobre a criação dos filhos, mas sem impor regras ou fórmulas mágicas. Mais de um ano na lista dos mais vendidos no Brasil. 




4. História da psicologia moderna


O tema central deste livro é a história da psicologia moderna, mais especificamente do período que se inicia no final do século XIX, concentrando-se nas questões diretamente relacionadas com o estabelecimento da psicologia como um novo e distinto campo de estudo. Aborda também a história da psicologia com enfoque nas pessoas, nas idéias e nas escolas de pensamento, enfatizando a seqüência evolutiva das abordagens que definiram a psicologia ao longo dos anos. A obra apresenta as seções "Texto original", que reproduzem trechos dos textos de importantes figuras da história da psicologia. São mais de dez nomes que representam todo o período da evolução da psicologia moderna. Os capítulos contêm ainda temas para discussão e listas comentadas de leituras. Os termos importantes estão em destaque no decorrer do texto, assim como suas definições, que também podem ser encontradas no Glossário ao final do livro.



5. O desenvolvimento psicológico da criança



O livro trata do domínio da psicologia infantil, os princípios gerais do desenvolvimento, as bases biológicas, o desenvolvimento cognitivo da personalidade e do comportamento social da criança, entre outros importantes temas envolvendo o universo da criança e seu desenvolvimento.





6.  O indivíduo excepcional


Sumário: Introdução à excepcionalidade – Algumas considerações psicológicas e sociais básicas- Modelos conceituais de desvio- desvio e estigma – Assistência e educação do Indivíduo excepcional – Problemas familiares e pessoais das pessoas excepcionais / A Excepcional intelectual – As pessoas intelectualmente superiores – Criatividade – Os “retardados” mentais: algumas considerações gerais- retardamento mental leve e grave- deficiências na aprendizagem – o individuo bicultural / Os deficientes sensoriais – visuais, auditivos / Deficiências motoras e da fala – os deficientes ortopédicos – distúrbios da comunicação / Problemas da velhice.

7. Inteligência Emocional

Em Inteligência Emocional, o psicólogo Daniel Goleman examina estas questões polêmicas, por meio de instigante viagem pelos labirintos da mente humana. Aliando o rigor do cientista à experiência humana do psicólogo, Goleman traduz as mais recentes descobertas neurológicas para o público leigo. E é esta base científica que apoiará suas teses reveladoras. Inteligência Emocional é uma obra brilhante que apresenta revelações surpreendentes para todos os que ainda acreditam na ditadura da razão. Grande sucesso nos Estados Unidos, este livro tem orientado novas propostas pedagógicas, bem como servido de base no processo de seleção de empregados de grandes empresas americanas. Inteligência Emocional trata das grandes questões da mente humana com argúcia e profundidade. É obra indispensável a todos os que desejam aproveitar melhor suas potencialidades.

8. Criando Meninos


Quem tem meninos, hoje, está preocupado. Toda hora eles enfrentam problemas. Os pais gostariam muito de entendê-los e de ajudá-los a serem amáveis, competentes e felizes. Criando Meninos faz um enorme sucesso em todas as línguas. O livro discute de forma clara, leve e emocionante as questões mais importantes sobre o desenvolvimento de um homem, do nascimento à fase adulta. Steve Biddulph escreve com humor, honestidade e muita experiência. Um texto apaixonante, repleto de orientações práticas, essencial na nobre tarefa de criar um menino. Para mães e pais de verdade. 

9.De Mariazinha à Maria


"Este livro pretende ser uma reflexão sobre sentimentos das mulher tais como: a nossa necessidade de agradar, o medo que temos de crescer, de arriscar, o receio de experimentar o novo e fracassar ou de 'dar certo' e ter que conviver com o aumento de responsabilidade, a busca de segurança, as nossas culpas variadas...muitos homens também experimentam esses sentimentos, mas aqui eles são analisados dentro do contexto que é particular da condição feminina.







10. Criando meninas


O que você deseja para sua filha? Como gostaria que ela fosse no futuro? Embora muitas sejam as respostas possíveis para essas perguntas, é certo que você deseja que ela se torne uma mulher forte, segura e confiante. E isso, em grande parte, está em suas mãos. Em Criando Meninas, você encontrará orientações claras e precisas, que vão ajudá-lo na tarefa de educar sua filha com carinho, amor e disciplina. Com muita experiência no assunto, a autora, dra. Gisela Preuschoff, mostra como evitar os erros mais comuns na criação das meninas e aponta os caminhos que levam à formação de pessoas determinadas e felizes. Desde os primeiros anos de vida até a adolescência, Criando Meninas mostra como estimular, desenvolver e encorajar sua filha. Apoiada em fatos científicos e na própria experiência como mãe, psicóloga e terapeuta familiar, Gisela Preuschoff ensina a medida certa entre autoridade e amor. Dessa maneira, você pode estar seguro de que sua filha terá um futuro brilhante. Existe algo melhor do que isso que você possa oferecer a ela? 

11. A chave da psicologia do amor


Neste livro, Robert A. Johnson nos fala de nós mesmos. Nós, homens e mulheres de hoje, que vivemos nossa vida nessa complicada sociedade ocidental. A história que Johnson nos traz, por si sí já é capaz de nos envolver, pelo que ela contém de trágico, de belo e de sublime. Mas, além disso, Johnson nos leva, através dos conceitos da psicologia jungiana, a descobrir um fascinante segredo, fornecendo-nos uma chave para o autoconhecimento.


O mito de Tristão e Isolda - surgido na Idade Média - é o veículo usado aqui para explorarmos, analisarmos, o amor romântico.

12. Mentes Perigosas


Quando pensamos em psicopatia, logo nos vem à mente um sujeito com cara de mau, truculento, de aparência descuidada, pinta de assassino e desvios comportamentais tão óbvios que poderíamos reconhecê-lo sem pestanejar. Isso é um grande equívoco! Para os desavisados, reconhecê-los não é uma tarefa tão fácil quanto se imagina. Os psicopatas enganam e representam muitíssimo bem.


"Mentes Perigosas" discorre sobre pessoas frias, manipuladoras, transgressoras de regras sociais, sem consciência e desprovidas de sentimento de compaixão ou culpa. Esses "predadores sociais" com aparência humana estão por aí, misturados conosco, incógnitos, infiltrados em todos os setores sociais. São homens, mulheres, de qualquer raça, credo ou nível social. Trabalham, estudam, fazem carreiras, se casam, têm filhos, mas definitivamente não são como a maioria da população: aquelas a quem chamaríamos de "pessoas do bem".

Eles podem arruinar empresas e famílias, provocar intrigas, destruir sonhos, mas não matam. E, exatamente por isso, permanecem por muito tempo ou até uma vida inteira sem serem descobertos ou diagnosticados. Por serem charmosos, eloqüentes, "inteligentes" e sedutores costumam não levantar a menor suspeita de quem realmente são. Visam apenas o benefício próprio, almejam o poder e o status, engordam ilicitamente suas contas bancárias, são mentirosos contumazes, parasitas, chefes tiranos, pedófilos, líderes natos da maldade.

Em casos extremos, os psicopatas matam a sangue-frio, com requintes de crueldade, sem medo e sem arrependimento. Porém, o que a sociedade desconhece é que os psicopatas, em sua grande maioria, não são assassinos e vivem como se fossem pessoas comuns.

13.     Mentes perigosas na escola - Bullying



A Dra. Ana Beatriz faz uma análise sobre u dos tipos de violência que precisa ser combatido. O livro faz uma investigação do problema, apresentando informações aos pais, professores, alunos e profissionais de diversas áreas para identificar esse tipo de violência e suas consequências, como também o que s epode fazer para combatê-la.




14.Os homens são de marte, mulheres são de vênus


Todas as mulheres são iguais ? e os homens, idem. Quando se aborrecem, eles querem silêncio e solidão. Já entre elas, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas ? o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta: Homens são de Marte ? Mulheres são de Vênus. É o que garante o psicólogo e escritor John Gray.

A história de vida de John Gray não é menos curiosa do que suas afirmações. Aos 19 anos, ele viajou para a Europa, com o desejo de "expandir a consciência e aumentar meu poder de percepção...". O que o levou a viver por nove anos como monge do guru Maharishi Mahesh Yogi ? o mesmo que fez a cabeça dos Beatles. Com o tempo, porém, ultrapassou os limites do movimento, e passou a meditar sobre seu próprio ideário.

"O sexo mudou a minha vida, era uma nova espécie de êxtase, diferente do espiritual. Percebi ? e admiti ? que, para mim, sexo e dinheiro são tão importantes quanto a espiritualidade", diz Gray. Anos mais tarde, passou a sua matéria predileta, o casamento, e descobriu sua especialidade: intérprete de casais. "A principal causa dos conflitos é que homens e mulheres não conseguem comunicar-se. É preciso que cada um se disponha a aprender o idioma do sexo oposto, traduzir e interpretar seu pensamento", afirma ele.

"Os marcianos ? no caso, os homens ? dão muita importância ao trabalho, à competência, à capacidade e às conquistas. Já para as venusianas ? as mulheres ? há coisas mais importantes que isso: qualidade dos relacionamentos, família, casa, amor e cooperação comunitária", ensina. Quando o acusam de simplificar o que é complexo, ele defende-se: "Não é verdade. Eu dei uma nova visão a tudo isso. Homens e mulheres, podemos ser iguais e diferentes ao mesmo tempo." O livro foi lançado em 1992 nos Estados Unidos e vendeu mais de dois milhões de exemplares, ficando na lista dos mais vendidos da Publishers Weekly por mais de 112 semanas.

15. Mentes Inquietas 

Pessoas com comportamento distraído, enrolado, esquecido, desorganizado impulsivo, agitado, inquieto, desastrado podem ser portadoras do transtorno do deficit de atenção com hiperatividade (TDAH), popularmente conhecido como hiperatividade infantil.


Via de regra, os portadores de TDAH são injustamente rotulados de preguiçosos, mal-educados “bicho-carpinteiro”, avoados, irresponsáveis ou rebeldes, mas na realidade possuem um funcionamento cerebral diferente, que os fazem agir dessa forma. O TDAH ou simplesmente TDA é caracterizado pela seguinte tríade de sintomas: desatenção, impulsividade e hiperatividade mental e/ou física. Manifesta-se ainda na infância e está presente em 3 a 7% nas crianças em idade escolar. Tais crianças frequentemente apresentam dificuldades de concentração e de relacionamentos, ocasionando incompreensão de amigos, pais e professores.

Um dos maiores problemas que permeiam o TDA é a falta conhecimento sobre o assunto, tanto na população leiga quanto nas áreas médica, psicológica e educacional. Muitas pessoas com TDA passam a sua vida inteira sem ter a mínima noção de que o problema tem solução e de que precisam de um diagnóstico e tratamento adequados. Menos conhecido do público em geral é o fato de que a hiperatividade física nem sempre está presente nos portadores de TDA. Somente 50% desses indivíduos apresentam agitação física. Por isso, a condição básica para se firmar o diagnóstico de TDA é a hiperatividade mental (uma mente inquieta, ruidosa, que vive “a mil por hora”). Isso dificulta sua concentração, em função da tempestade de pensamentos e ideias que pairam em suas mentes.

Os meninos estão mais propensos a apresentarem o TDA com hiperatividade física. Já as meninas são mais quietas, desligadas, sonhadoras e, por isso mesmo, não chamam a atenção quanto ao seu comportamento. Os meninos são mais acometidos que as meninas, numa proporção de 3:1.


Ninguém adquire TDA na vida adulta. O transtorno do deficit de atenção é uma condição que acompanha a pessoa desde sempre, sendo constitucional e inerente à sua biologia. A pessoa nasce TDA.

Ao contrário do que se possa pensar, os TDAs não possuem parca inteligência ou algum problema de ordem cognitiva. Eles apresentam grande potencial criativo e intuitivo, muitas vezes com QI acima da média. O grande “x” da questão é canalizar suas habilidades inatas em algo realmente producente. 


16.Quem ama, educa!



O objetivo do livro é devolver para a família a responsabilidade de educar os filhos, hoje atribuída à escola, dada a nova dinâmica familiar e profissional da sociedade ocidental. O autor se propõe a ajudar os pais nessa empreitada, reforçando a importância de valores e atitudes como limites e diálogo. Ressalta também que os pais devem se sentir tranqüilos em relação à educação dada a seus filhos, na medida em que lhes transmitem a responsabilidade pela própria felicidade, dando-lhes a autonomia de que eles certamente precisarão na vida adulta. Por fim, fica marcada a idéia de que os pais têm de garantir uma boa educação, que fizeram à sua parte da melhor maneira e assim contribuir para que seus filhos sejam felizes. 


17. O que toda criança gostaria que seus pais soubessem


Psicologia aplicada: Educação de Crianças e jovens.

O problema emocional normal. O recém-nascido.
O controle das necessidades. Disciplina e castigo.
Educação sexual. Experiências sexuais.
Médicos, remédios e doenças. Divergências conjugais.
Divórcio. Criança em dificuldades.
O Que Toda Criança Gostaria Que Seus Pais Soubessem
Lee Salk 



18.Crises previsíveis na vida adulta

Uma mensagem vívida e apaixonada à atual geração de meia-idade. Passagens mostra que nossas vidas seguem um padrão, um modelo de estágio no desenvolvimento adulto, o qual, uma vez reconhecido, pode ser governado". A autora, ao escrever este livro, propôs três objetivos: localizar as mudanças de personalidades a cada estágio da vida; comparar os rítmos de desenvolvimento de homens e mulheres - o que ela conclui serem assentuadamente dessincronizados; e, à luz disso, examinar as crises que os casais possam prever.


19.Por que os homens fazem sexo, e as mulheres fazem amor?



Neste livro você vai conhecer os importantes avanços da ciência da evolução humana e como suas descobertas se aplicam ao relacionamento entre homens e mulheres. Serão apresentadas algumas conclusões perturbadoras e controvérsias vão surgir, mas vamos nos reconhecer, entender melhor muitas coisas e, certamente, aprender a conviver melhor. Você vai saber entre outras coisas: Por que as mulheres se desesperam com o silêncio dos homens; por que os homens não devem mentir para as mulheres; por que as mulheres são mais fiéis do que os homens; por que os homens monopolizam o controle remoto; por que as mulheres têm dificuldade de estacionar junto à calçada; e por que os homens detestam crítica; por que quando estressados os homens se calam e as mulheres falam tanto.

20.Sem padecer no paraíso


Numa época em que a sociedade assiste, estarrecida, à marginalização de jovens de classe média, fenômeno que vem se repetindo em todo o mundo, é extremamente oportuno e mesmo necessário, rever os conceitos de "educação moderna" e os problemas que interpretações inadequadas podem acarretar. E é exatamente este o propósito desta obra: levar pais e educadores a refletir sobre uma das causas deste problema - a questão dos limites na educação. No Brasil, a obra, pioneira no tema,conquistou o público leigo e acadêmico, pela seriedade com que é abordado, mas também especialmente pela forma simples e afetiva com que foi escrito.


Escrito numa linguagem direta, clara e objetiva, com base em um estudo de campo realizado com 160 pais de classe média de várias regiões do Rio de Janeiro, sem deixar de tratar com a profundidade necessária os temas, a autora, com décadas de docência e mãe de dois filhos, conduz os pais a reverem posturas geradas por interpretações distorcidas de Psicologia e Educação. São também analisadas as consequências que a falta de limites na educação podem trazer, uma das quais seria o surgimento de uma geração de "pequenos tiranos", crianças e jovens sem noção de "certo" e "errado", sem solidariedade nem empatia, seres egocêntricos e voltados apenas para seu prazer pessoal, capazes, em conseqüência, de atos anti-sociais, desde que considerem sempre, em primeira e última instância, apenas os seus interesses.


21. A interpretação dos sonhos



As investigações de Freud sobre a questão da motivação nas nossas vidas formam a base de muita da psicologia atual e este livro fornece-nos uma introdução inteligível das suas teorias acerca dos sonhos e do que eles nos podem dizer sobre as nossas vidas quando acordados. Cada capítulo têm vários sonhos (incluindo os de Freud) e análises detalhadas destes para demonstrar como somos mais afetados por pensamentos e preocupações do que o que gostamos de admitir. Não apenas é uma leitura interessante, como também é bastante acessível, o leitor não precisa de estar familiarizado com qualquer dos conceitos complicados de Freud de forma a compreender aquilo que ele está a escrever. O seu estilo é minucioso e provocador, mesmo que não concordes com o que ele escreve. É fácil criticar as suas teorias sem saber muito sobre elas, de forma que este livro fornece uma bem-vinda introdução.

22. A arte de separar-se

Um livro que contém relatos reais de quem passou pelo drama da separação e precisou passar pelas angustias e amarguras da vida pós-cônjuge. Edoardo Giusti ensina nas suas 236 páginas à educar a sua mente e recuperar-se meio que "instantaneamente" através de estudos psicológicos.




23. Síndrome de Peter Pan


Síndrome de Peter Pan é um estado de imaturidade emocional que começa com ansiedade e narcisismo e termina em desespero. É um fenômeno sociopsicológico detectado em homens que, embora tenham atingido a idade adulta são incapazes de encarar os sentimentos e responsabilidades dos adultos. No esforço de esconder seus fracassos, recorrem ao fingimento e à falsa alegria.





24. Teoria e prática


Destinada aos alunos dos cursos de arquivologia, biblioteconomia e documentação, esta obra de cunho didático supre a falta de publicações especializadas na área, apresentando técnicas, teorias e métodos arquivísticos. O livro contém ilustrações, bibliografia e legislação sobre a matéria, além de inúmeros exercícios acompanhados de respostas, para permitir ao leitor avaliar sua aprendizagem. 


25. O complexo de Portnoy


Trinta e seis anos depois, a história de Philip Roth sobre o rapaz oprimido pela mãe judia segue vigorosa.


Quando foi lançado, em 1969, "O Complexo de Portnoy" causou polêmica. Nem poderia ser diferente. Em plena época da liberação sexual, o autor Philip Roth apareceu com um livro em que a masturbação é a válvula de escape da sexualidade do personagem e deixa transparecer em suas páginas temas como o complexo de Édipo e até um incesto virtual. 

"O Complexo de Portnoy" não envelheceu. O drama do rapaz dominado pela mãe, uma tradicional matriarca judia, permanece com seu vigor inalterado e apresenta uma envolvente narrativa em primeira pessoa. Alexander Portnoy, agora com 30 anos, conta ao psicanalista as agruras da marcação implacável que sofria de sua mãe, da qual eram vítimas também o pai, um inofensivo vendedor de seguros, e a irmã mais velha.

Philip Roth imprime um tom bem-humorado que eventualmente provoca gargalhadas, mesmo que o sabor final seja amargo. Mas é na discussão das relações opressivas, representadas pela claustrofóbica presença materna, que reside a força do livro. As conseqüências que a formação sexual confusa e o complexo de Édipo irão ter na vida adulta de Alex são perturbadoras. É o que torna esse livro mais atual do que nunca. O inimigo é a mãe.


26.O complexo de perfeição



Progredir na carreira, ganhar mais dinheiro, passar menos tempo com a família e os amigos... estes podem ser considerados os elementos que compõem a nova mulher ; é a visão contemporânea do sucesso. Mas será que essa atividade frenética não seria apenas uma tentativa de suprimir ou negar a auto-estima reduzida? Não seria apenas uma necessidade de se manter ocupada, de agir, de ser produtiva, para mascarar os sentimentos internos de solidão? Colette Dowling diz que sim, e mostra, neste livro, como é possível deixar de representar, escapar de um desempenho inseguro para se transformar em uma mulher em contato com seu eu, respeitando-o, e se tornar uma mulher feliz, capaz de dar expressão integral à sua personalidade.

27. Amar pode dar certo


Por mais que a humanidade evolua, amar e ser amado continua e continuará sendo uma das maiores buscas do ser humano. No livro "Amar pode dar certo", o leitor é convidado a repensar seus relacionamentos, sua maneira de amar e suas expectativas a respeito da pessoa amada. Para o amor dar certo os autores propõe que a pessoa aprenda a amar, que nada mais é do que treinar a viver junto, treinar o diálogo sem manipulação, treinar sair para jantar, dançar, ter relações sexuais satisfatórias. Enfim, saber se divertir a dois até conseguir viver o momento em que não há mais o homem e a mulher, mas o "nós".

28. Nós dois - As várias formas de amar


A energia misteriosa da atração é o que as pessoas sentem ao encontrar alguém que as encante, que as seduza e que as leve a perguntar quando e como reencontrar-se. É o ponto de partida do jogo do amor. A conexão erótica, os circuitos amorosos, o processo de sedução e da escolha fazem parte dessa trajetória que Maria Helena Matarazzo apresenta neste livro. As pessoas amam apesar do medo. Com ele, sem ele ou apesar dele, por ser tão grande sua necessidade de ser correspondido. O relacionamento a dois torna-se difícil porque existe a busca incessante de um possível companheiro íntimo e existem inúmeras barreiras, inúmeros desafios que precisamos superar.

29. Testes Psicológicos

O objetivo básico deste livro é capacitar o leitor a avaliar testes psicológicos de qualquer tipo e interpretar corretamente os resultados. Este objetivo é abordado de três formas: Através da compreensão dos princípios de construção de testes, através do conhecimento psicológico sobre o comportamento medido e através da familiaridade com os instrumentos disponíveis.




30. Psicologia social - O homem em movimento

Um livro introdutório à Psicologia Social que nºao exercite nenhum tipo de traição à realidade. Polêmico como o mundo de hoje. Prenhe de controvérsias como o nosso caminho é prenhe de ciladas. Inacabado, eternamente, como a vida.


Um livro que busca compreender a vida dos Homens com muito respeito mas sem conformismo, porque a objetividade científica não significa descompromisso político.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.