[RESENHA] Crime e Castigo - Dostoiévski

Titulo: Crime e Castigo
Autor: Dostoiévski
Editora: Martin Claret
Ano: 2013
Páginas: 553
ISBN: 9788572325417
Avaliação: 10/10

Publicado em 1866, Crime e Castigo é a obra mais célebre de Fiódor Dostoiévski. Neste livro, Raskólnikov, um jovem estudante, pobre e desesperado, perambula pelas ruas de São Petesburgo até cometer um crime que tentará justificar por uma teoria: grandes homens, como César e Napoleão, foram assassinos absolvidos pela História. Este ato desencadeia uma narrativa labiríntica que arrasta o leitor por becos, tabernas e pequenos cômodos, povoados de personagens que lutam para perservar sua dignidade contra as várias formas da tirania.

Crime e castigo é um romance repleto de reflexões, pensamentos e indagações que parecem não ter fim, o romance de Dostoiévski pertence aos clássicos de ouro e é um dos livros mais solicitados por professores em faculdades de cursos como psicologia e as várias áreas pertencentes ao curso de direito.

Com uma escrita indescritível de tão perfeita e direta Dostoiévski narra a história de Raskólnikov, um homem aparentemente calmo, mas cheio de indagações e perguntas sem respostas em sua cabeça. Raskólnikov vive em um apartamento alugado a onde a proprietária não é tão amigável com seu inquilino.

Com o passar do tempo o personagem começa a se sentir extremamente irritado com a presença da proprietária do local onde morava e decide armar um plano para mata-la, já que no contexto histórico do mundo existem pessoas que foram absolvidas mesmo matando milhões de pessoas e aina saíram por cima como "heroínas da pátria", e para afirmar sua tese e pensamento ele usa um personagem bem conhecido por todos nós: Napoleão Bonaparte. 

Movido pela sua ideia, ele decide mata-la de vez. Após matar a pobre senhora o personagem se encontra desolado, perdido, sem rumo, confuso, culpado, e isso era algo que não era narrado nos livros de história. Talvez fosse mais fácil se contentar em matar milhares de pessoa do que matar uma só.

Só que os livros e as interpretações tidas por Raskólnikov não lhe falavam sobre o arrependimento e o peso com o qual os personagens responsáveis pela morte de toda aquela gente tinha que sentir, e pior, conviver com elas. 

O livro tem todo um contexto e uma narração espetacular pensada nos mínimos detalhes pelo autor, desde o início, até à execução do plano de morte da pobre senhorinha.

Após a noticia da morte da senhora, a policia decide investigar o prédio onde a mesma morava e resolve ter uma conversinha com o senhor Raskólnikov em particular. Ele não parecia culpado, mas no fundo, bem no fundo, o policial tinha a absoluta certeza a culpa do rapaz e acreditava firmemente que o mesmo tinha motivos para mata-la, porém, ele acaba sendo liberado.

Neste meio tempo Raskólnikov conhece uma moça muito atraente na qual se apaixona perdidamente por ela. Seu nome? Sônia, uma prostituta. Sônia é uma figura excepcional presente no contexto com uma forte representatividade, Sônia era a personificação da fé e da redenção.

Sônia começa a induzir o seu "amado" ao evangelho e luz das escrituras que nela são mencionadas, trazendo para Raskólnikov alívio, pois o mesmo acreditava que assim como aquelas pessoas descritas na bíblia foram perdoadas, ele também poderia ser. Sônia usa todo o seu poder de persuasão para induzir o amado à entregar-se as autoridades que tomariam partido do acontecimento. 

***

Raskólnikov é completamente induzido por uma leitura mal feita e por uma interpretação de contexto completamente errônea, o que o fez, pagar severamente por todos os seus atos.

Dostoiévski não narra apenas o romance de Sônia com o protagonista, ele atribui à cada personagem uma ideia, pensamento e significado diferente para todo um estudo. 

"Viver sem ler é perigoso, te obriga a crer no que dizem". - Quino

Porém, ler e não buscar uma segunda opinião ou procurar se aprofundar na leitura de forma clara no qual não restem sombras de dúvidas é mais perigoso ainda.

A psicologia expressa no livro com relação ao comportamento do personagem gira em torno de vários fatos que podem ser alvos de estudos, e por este motivo, são tão exigidos nas universidades, como por exemplo: O fato do protagonista estar sempre alerta mesmo vivendo sozinho, era a culpa batendo em sua porta e as milhares de reflexões que ele mesmo se fazia com relação ao crime, é uma pauta de estudos para psicologia e direito.

A representatividade da fé ortodoxa (católica) instituída na personagem Sônia também pode ser um excelente estudo, levando em consideração as inúmeras ponderações e citações de santos e outros personagens/símbolos da fé católica expostos no livro.

O livro é maravilhoso como todos os livros escritos pelo autor Dostoiévski e é digno de uma nota excepcional jamais dada em uma de nossas resenhas: 10/10.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.