Header Ads

[FILOSOFIA] Filosofia moderna

Filosofia Moderna | Google Images


A Filosofia Moderna, como sugere o próprio nome, passou a estabelecer melhor os limites do estudo filosófico. Inicialmente, de acordo com obras de René Descartes e o Tratado de George Berkeley, por exemplo, faziam-se referência a questões como a prova da existência de Deus e da existência e imortalidade da alma - focos iniciais de discussões.

Da mesma maneira, filósofos ao longo da história e no início da idade moderna concebiam suas teorias no segmento fornecendo algum fundamento ou raciocínio lógico para explicar alguma questão. Cabia à filosofia fazer uma "faxina" nas crenças sem fundamento e se aliar à ciência para explicar os casos constatando fatos.

O método científico (caso de Berkeley, em The Analyst, no qual ele criticou o cálculo newtoniano-leibniziano – mais especificamente, à noção de infinitesimal – e de David Hume com o tratamento matemático do espaço e do tempo) passou a ser o que tinha mais credibilidade na hora de explicar alguma das teorias a serem estudadas.

Gradativamente, contudo, a filosofia moderna foi deixando de se voltar ao objetivo lógico e de aumentar o conhecimento material - como a descoberta de novas verdades – e isto passo a ser assunto para a ciência. Em obras posteriores, especialmente a de Immanuel Kant, a filosofia claramente passa a ser encarada como um ato de clarificação das próprias condições do conhecimento humano: começava assim a chamada "virada epistemologicaca", ou, como o título deste post, Filosofia Moderna.
Tecnologia do Blogger.