Header Ads

O problema com o mercado editorial

GOOGLE IMAGES

Antes de tudo, gostaria de deixar claro que o texto abaixo não foi criado pensado em nenhum caso específico, em momento algum citei editora ou autor. O texto é apenas uma reflexão dos reflexos da pirataria que ocasiona para o autor e as editoras uma série de problemas. Um outro tópico abordado no texto é a quantidade de editoras que tem surgido no mercado, dizendo estrarem prontos e aptos para publicar o livro das chamadas "minorias", mas a maioria quer apenas lucrar com a venda dos livros, deixando o autor a obra desvalorizados. 

Desde que a venda de livros se tornou um negócio lucrativo, surgiram pessoas mal intencionadas, cheias de segundas intenções e sem futuro ou preparo abrindo editoras. Atualmente no Brasil temos mais de 400 editoras, mas apenas uma pequena minoria se importa de fato com o que se publica na editora.

Milhões de autores não descobertos, milhares de sonhos escritos no papel, milhares de tentativas de publicar uma obra - E a ilusão de que o suporte, ajuda e sonho serão concretizados. Talvez sejam, mas não da forma como merecem.

Descobrir um talento que se destaque da maioria e mostra-lo ao mundo é uma tarefa graciosa, quase que um dom, mas que algumas pessoas não andam respeitando muito. Autores que decidem publicar de forma independente, pelos motivos mais banais possíveis, dentre eles podemos citar:

Os sonhos não devem ficar aprisionados na cabeça, devem ser botados para fora e mostrados para o mundo. Valorize o trabalho de quem faz acontecer.

  1. Editoras que não dão suporte, ou retorno ao autor. Algumas editoras simplesmente aceitam o original do autor e não o avisam que seu perfil não se encaixa na editora, e o autor é obrigado a ficar esperando uma resposta, que certamente, não virá.
  2. Editoras recém abertas, porém, sem compromisso. Uma editora que está entrando no mercado editorial deveria se preocupar completamente com o atendimento, prontidão e com o suporte ao autor.
  3. Falta de recursos. Não, não falo dos recursos do autor, o único recurso necessário, ainda é uma obra chamativa escrita para análise. Ausência de recursos necessários para suprir demanda, pedidos, execução do trabalho ou regras desfavoráveis aos autores.
Abrir uma editora sem compromisso com a escrita é se afundar aos poucos, e levar uma quantidade de escritores que poderiam ter dado certo, mas que por algum motivo acabaram caindo na "ladainha" de que poderia ser diferente.

Se um autor compromete-se e se submete a um contrato com uma editora, ambos devem cumprir seus papeis. Não adianta uma editora "topar" publicar um livro e deixa-lo mofando na web, sem divulgação, sem trailer, sem menções ao autor, a ausência de suporte anda grande, infelizmente. 

Uma vez me perguntaram porque o valor do livro digital era quase o valor do livro físico, demorei para responder esta questão, mas consegui. Sabemos bem que existem pessoas de má fé agindo por ai, pessoas que estão prontas para esperar o próximo lançamento de uma determinada editora e lançar o PDF para downloads ao público - E é claro que a grande maioria baixa, afinal, o Brasileiro está tão acostumado a baixar filmes, músicas, programas de forma gratuita na internet, que baixar um livro não irá ser diferente, porém, existem consequências graves.

A distribuição de material ilegal, continua sendo uma muralha para as editoras e autores.

Enquanto de um lado existe um amontoado de editoras sem compromisso, do outro lado temos as editoras que se esforçam para ser reconhecidas e prestarem um bom trabalho. Mas essas editoras que conseguiram chegar em algum lugar também possuem grandes problemas, que infelizmente, afetam a todos. O problema mais comum e com sérias consequências é a distribuição ilegal do material/arquivo PDF dos lançamentos das editoras. Vários problemas podem ser ocasionados com a distribuição ilegal do conteúdo, dentre eles, podemos citar:

1. Queda na venda do livro físico. A maioria das plataformas de downloads, seja para celular ou computador possuem aplicativos próprios para ler ebooks em todo e qualquer formato, logo então, as pessoas preferem ler no computador ou em um dispositivo compacto, do que comprar a obra. Não podemos nos esquecer que o kindle, kobo e lev também permitem o formato PDF, mas mesmo se começassem a não permitir, existem programas capazes de alterar o formato de um arquivo.

2. Queda no valor de rendimento da editora e do autor. Quando um livro digital se espalha pela web e a venda tanto do físico quanto do digital ficam encalhadas, desencadeia-se problema atrás de problema. A editora possui um contrato e ela precisa prestar conta mensalmente com cada autor, essa prestação de conta é referente as vendas e ganhos, quando não se tem ganho com a venda, a editora sofre prejuízo, afinal, toda empresa necessita de um capital para se manter, e o autor sofre a dor de ver seu livro vagando pela internet gratuitamente.

3. Contratos internacionais são afetados. SIM, os livros da J.K Rowling, Rick Riordan e John Green, necessitam de um contrato. Algumas pessoas acreditam que qualquer editora pode publicar qualquer obra americana no mundo aqui no Brasil sem custo algum, porém, estas pessoas se esquecem de que toda obra possui direitos autorais reservados, sempre que uma editora decide trazer uma obra americana para o Brasil, esta obra requer um contrato de publicação, o que acaba afetando o rendimento das vendas e prejuízo para todas as partes.

4. Desvalorização do trabalho. O autor tem todo um empenho para escrever uma obra, dias e noites sem dormir e talvez até semanas, para poder escrever uma boa história, conseguir um bom público e se manter como autor, e a distribuição ilegal só mostra que as pessoas que cometem este ato, desvalorizam completamente o trabalho do autor. A editora paga o diagramador, o editor, o capista, contrato e vários outros funcionários terceirizados para realização de uma obra, e quando a desvalorização do livro digital cai e afeta o físico, a desvalorização é ainda maior - Tanto no quesito monetário, quanto no quesito trabalho.

Em suma, podemos concluir que, se o que acometia todos estes problemas era a ausência de alguém chegar e dizer "Para, isso está prejudicando alguém", não é mais uma questão. Se a pirataria e distribuição ilegal de e-books ainda for um problema, o caso é ausência de bom senso. Vamos abrir os olhos para quem estamos prejudicando, há uma série de pessoas lutando para sobreviver todos os dias. Temos pleno conhecimento de que quase todas as pessoas acham caro pagar R$5,99 em um e-book na Amazon, mas não acha caro pagar R$15-30 em um lanche em um ponto qualquer em beira de estrada, livro pode não encher barriga, mas é algo que você vai ter sempre contigo, diferente do que o que você gasta no dia-a-dia de forma banal. 

Espero imensamente que o mercado editorial DO MUNDO possa se preocupar mais com estas questões e tomar as devidas providências quanto a distribuição ilegal dos livros digitais. 

-

J. Vitor
Tecnologia do Blogger.