Ads Top

[RESENHA] Os heterônimos da dor — Carla Torrini

ISBN-13: 9788568209097
ISBN-10: 8568209092
Ano: 2016 / Páginas: 130
Idioma: português 
Editora: Cultura em Letras Edições

Adicione este livro a sua estante do skoob
Compre: Cultura em Letras Edições

O primeiro livro de poesias da Cultura em Letras Edições apresenta a autora Carla Torrini, que reuniu, com maestria, textos que representam a dor em diferentes aspectos: sofrimento, tristeza, alegrias, conquistas e derrotas, além da dor física. Um trabalho envolvente e real.


Para inicio de conversa, eu invejo quem faz poesia, quem transcede em todos os sentidos as vontades, os desejos, a raiva, indignação, dor, sofrimento penar, pensar, ludibriar, apelar, beijar, sentir, imaginar, ter e o refletir. Tenho inveja de quem consegue com facilidade se expressar em versos, em poemas, em estrofes em papel em vontades e facilidade seus sentimentos. Carla Torrini possui uma singularidade ampla na escrita que abrange mais do que nossas expectativas. Os heterônimos da dor é o livro que nos trás as multifacetas da dor — O amor, o sexo, o sentimento não correspondido, uma prece não atendida, uma ligação não recebida, uma decepção, um fracasso, uma vontade, um ardor, uma infelicidade, um rancor e uma paixão, tudo isso nos remete a um penar que estremesse o corpo e a nossa base de existência, a dor nos remete a pensamentos que outrora não tivemos: Como, onde, quando e porque justamente comigo? Heterônimos de Carla Torrini é muito além de poesia, são gritos e suspiros poéticos.

Em 55 poemas, Carla nos trás uma escrita repleta de paixão, desejo e ódio, tudo isso junto, tudo isso conforme a dor muda, por que a intensidade da decepção e da raiva nunca são as mesmas. Em cada poema podemos perceber uma intensidade e energia diferente da outra, percebe-se que a autora teve um momento flamejante de inspiração e transpiração do gritar em forma poética no papel. 

Escrever é fácil, se expressar é difícil. Nem todo mundo que escreve, se expressa, a maioria só narra. Narrar nem sempre é vivenciar. Expor aquilo o que se foi ou se é vivenciado é difícil. Existe uma certa complexabilidade dentro do olhar de quem se atreve a se aventurar em uma poesia, algo além do olhar. Algo que nos remete a sentimentos e envolvidos em nossas entranhas. Os poemas de Carla Torrini nos faz repensar toda nossa caminhada de vida e tudo o que passamos, afinal, é a dor — E ela está presente em todos os momentos, mesmo que você não sinta de forma direta.

As diferentes essências e os sentimentos que se intercalam de um poema para o outro.

A dor da submissão, da paixão, da vontade de ser notada:

VONTADES

Eu me curvo às tuas vontades
e me doo aos teus desejos,
ofereço-te minha alma
para que me escravizes em ti...

Ajoelho-me sem pudor,
suplicando-lhes atenção
para que olhes para mim
e reconheça-me como tua

[...]

...Da redenção:

POSSE

Deus! Tu és minha religião, meu credo
meu pecado, minha crucificação, meu gozo...
Ofereço-te meu corpo em sacrifício
e minha alma em redenção em nome
daquilo que não se domina mas se sente...

[...]

...Do flagelo

PUNHAIS

Minhas mãos tremem
nesse instante de dor suprena
onde o coração bombeia
a infelicidade do corte...

Não sei mais o que sentir
Já que sentimentos se evaporaram
nesse ar rarefeito
que cessa meu respirar...

De joelhos estou
na distância que se perdeu
nas palavras não pronunciadas 
engasgadas na gargante

[...]

A narrativa é uma mistura da realidade e ilusão, que se perdem dentro de uma linha de raciocínio única de sentimentos que se tornam mistos ao passar pelas páginas. O confuso, o racional, o irracional, o sentimento e o abandono, o misto e a mistura. As várias vertentes de um mundo que todos sabem que existe, porém, evitam: A dor.

Um livro para quem deseja se aventurar em reflexões poéticas acerca da dor. Cada poema é único e trás em si uma carga de experiências, afinal, todos nós já sentimos dor ao menos uma vez na vida e refletir sobre este sentimento, talvez seja mais necessário do que pensamos.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.