Ads Top

+30 livros para compreender o movimento feminista

Entender o movimento feminista é o primeiro passo para compreender suas ideologias | Google Images

O feminismo é um movimento feminista que luta e visa pelos direitos igualitários entre homens e mulheres. Preocupando-se em desmistificar mitos como "mulher frágil", ou "inferior", as feministas estão em nosso meio desde sempre para tornar a sociedade um lugar para melhor para todos, sobretudo, pela compreensão de todos pelo entendimento acerca do que se está sendo lutado. A maioria das pessoas não entende ao certo o que é o feminismo e acabam o confundido com eufemismo, o que não faz parte da índole, projeto e luta das feministas, a ideia é completamente oposta ao eufemismo. Enquanto o eufemismo viabiliza pisar nos homens e incentivar as mulheres ao ódio natural pela figura masculina, o feminismo luta contra toda e qualquer tipo de repressão no meio social entre homens e mulheres, viabilizando assim, um mundo melhor para todos sem preconceito de raça, etnia ou gênero.


UM TETO TODO SEU - VIRGINIA WOOLF


ISBN-13: 9788564406865
ISBN-10: 8564406861

Ano: 2014 / Páginas: 189
Idioma: português 
Editora: Tordesilhas


Baseado em palestras proferidas por Virginia Woolf nas faculdades de Newham e Girton em 1928, o ensaio Um teto todo seu é uma reflexão acerca das condições sociais da mulher e a sua influência na produção literária feminina. A escritora pontua em que medida a posição que a mulher ocupa na sociedade acarreta dificuldades para a expressão livre de seu pensamento, para que essa expressão seja transformada em uma escrita sem sujeição e, finalmente, para que essa escrita seja recebida com consideração, em vez da indiferença comumente reservada à escrita feminina na época. Imaginando, por exemplo, qual seria a trajetória da irmã de Shakespeare – caso o famoso escritor tivesse uma e ela fosse tão talentosa quanto o irmão –, Woolf descortina ao leitor um cenário em que as mulheres dispunham de menos recursos financeiros que os homens e reduzido prestígio intelectual. Será que à irmã de Shakespeare seria dada a mesma possibilidade de trabalhar com seu potencial criativo? Como o papel social destinado aos dois sexos interfere no desenvolvimento (ou na falta) de uma habilidade nata? Virginia mostra como, na época, a elaboração da competência de uma pessoa dependia de seu sexo, uma vez que a sociedade reservava aos homens e às mulheres papéis, atribuições e concessões bastante distintas. A maioria das mulheres não dispunha da liberdade e da privacidade necessárias para ter um lugar próprio para refletir e laborar na escrita. Daí a afirmação da escritora de que“uma mulher precisa ter dinheiro e um teto todo seu se quiser escrever ficção”. Uma mulher precisa ter condições financeiras e espaço para pôr-se a contemplar suas ideias e colocá-las no papel. Com a linguagem original e a fluidez de pensamentos que lhe são características, Woolf aponta neste ensaio um padrão duplo presente na sociedade, segundo o qual os homens eram estimulados a aprimorar suas habilidades criativas enquanto às mulheres era reservado um papel de sujeição. Esta edição traz, além do ensaio, uma seleção de trechos dos diários de Virginia, uma cronologia da vida e da obra da autora e um posfácio escrito pela crítica literária e colaboradora da Folha de S. Paulo Noemi Jaffe.

ORLANDO - VIRGINIA WOOLF

ISBN-13: 9788582176283
ISBN-10: 8582176287

Ano: 2015 / Páginas: 288
Idioma: português 
Editora: Autêntica


Orlando, um arremedo de biografia, descreve a vida do personagem homônimo, descendente de uma ancestral família aristocrática inglesa, que, no começo da narrativa, vive no século XVI, é homem e tem 16 anos. Acompanhamos sua vida por cerca de quatro séculos, na maior parte dos quais se mantém com a idade de 30 anos. No meio da narrativa, enviado pelo rei Charles II, como embaixador da Inglaterra, a Constantinopla, ele passa por uma transformação radical. Além de homenagear Vita Sackville-West, a aristocrata que serviu de modelo para a figura de Orlando, e de jogar com as convenções da biografia tradicional, Virginia explora aqui alguns dos seus temas preferidos: a incongruência entre, de um lado, o tempo do relógio e do calendário e, de outro, o tempo vivido, subjetivo; o caráter fragmentado, múltiplo e incerto da subjetividade; e, sobretudo, a instabilidade e a artificialidade da identidade sexual. A presente edição, com posfácio de Silviano Santiago, é enriquecida com as ilustrações da edição original e com extensas notas do tradutor.

O SEGUNDO SEXO — Simone de Beauvoir

ISBN-13: 9788520922835
ISBN-10: 852092283X

Ano: 2009 / Páginas: 936
Idioma: português 
Editora: Nova Fronteira


Provedora, vassala, acolhedora. Não importa como se apresenta, o lugar da mulher sempre foi definido pelo homem. Este configura a posição central na sociedade. O homem - que tomou para si a definição de 'ser humano' - relega à mulher uma posição secundária, um papel de coadjuvante na História. Foi a partir dessa constatação e da pergunta 'o que é uma mulher?' que a filósofa existencialista Simone de Beauvoir deu início à sua reflexão para escrever 'O Segundo Sexo'. A preocupação contudo não foi em equiparar um gênero a outro. Para ela, isso seria demasiado simplista, inclusive porque o homem é 'um ser absoluto', enquanto a mulher ainda não o é. Simone de Beauvoir procurou compreender de que maneira a mulher ocupou, ou a fizeram ocupar, essa posição de 'segundo sexo' em diferentes sociedades, como ela se coloca no mundo e como contribui para essa configuração social.

MÍSTICA FEMININA — Mística Betty Friedan

Ano: 1971 / Páginas: 325
Idioma: português 

Editora: Vozes Limitada


"The Feminine Mystique" ("A Mística Feminina"), de 1963, lançou o movimento feminista contemporâneo, e, com isso, transformou permanentemente a tessitura social dos EUA e de muitos países do mundo, Com sua análise apaixonada, mas contundente e clara, das questões que afetaram a vida das mulheres nas décadas que se seguiram à Segunda Guerra Mundial - incluindo uma suposta domesticidade forçada e perspectivas profissionais restritas e, conforme narrado nas edições posteriores do livro, a campanha pela legalização do aborto -, "A Mística Feminina" é largamente visto como uma das teorias mais lidas e questionadas do século XX. Anos mais tarde, muitas mulheres tacharam o trabalho de Friedan de superado, mas os aspectos da vida moderna que hoje parecem corriqueiros até a presença das mulheres na política, medicina, no clero e nas forças armadas é consequência indireta do ruído que ela ajudou a difundir.

SOBREVIVI, POSSO CONTAR — MARIA DA PENHA

ISBN-13: 9788563171030
ISBN-10: 8563171038

Ano: 2010 / Páginas: 212
Idioma: português 
Editora: Armazém da Cultura


O livro de Maria da Penha Sobrevivi, posso contar relata a vida da autora que sofreu uma cruel, dolorosa e covarde violência. Maria da Penha oferece sua história generosamente a toda sociedade, como uma forma de contribuir com transformações urgentes, pelos direitos das mulheres a uma vida sem violência. História que muito tempo depois a tornou protagonista de um caso de litígio internacional emblemático para o acesso à Justiça e para a luta contra a impunidade em relação à violência doméstica e familiar contra as mulheres no Brasil. Ícone dessa causa, sua vida está hoje também simbolicamente subscrita e marcada sob a lei nº 11.340 ou lei Maria da Penha. Neste livro, Penha compartilha de forma ímpar sua história de vida - tão particular e ao mesmo tempo tão comum à de tantas mulheres que levam no corpo e na alma as marcas visíveis e invisíveis da violência. Este livro proporciona muito mais do que a história de violência contra uma mulher. Revela um fenômeno social, político, cultural e ideológico que afeta de forma grave e desproporcional muitas mulheres.

POLÍTICA SEXUAL — KATE MILLET

Ano: 1974 / Páginas: 256
Idioma: português 

Editora: Publicações Dom Quixote




Depois da publicação deste livro (vários milhões de exemplares vendidos), que reproduz uma brilhante tese de doutoramento apresentada pela autora na Universidade de Colúmbia, Kate Millett passou a ser considerada uma das principais teóricas do chamado movimento de libertação das mulheres, que tantas polêmicas tem suscitado em todo o mundo. De todas as interrogações que o conhecimento da obra irá pôr ao leitor, a não menos surpreendente será.



A COR PÚRPURA — ALICE WALKER

ISBN-13: 9788503010313
ISBN-10: 8503010313

Ano: 1989 / Páginas: 315
Idioma: português 
Editora: Marco Zero


O livro narra a comovente trajetória de uma mulher negra na racista América do início do século passado. A Cor Púrpura é um romance feminista sobre a força e dignidade do espírito humano. Alice Walker foi vencedora do Prêmio Pulitzer de Literatura em 1983. A comovente história da adolescente negra começa em uma pequena cidade na Geórgia nos Estados Unidos em 1909. Celie, uma jovem com apenas 14 anos é violentada pelo pai e se torna mãe de duas crianças. Além de perder a capacidade de engravidar, Celie imediatamente é separada dos filhos e da única pessoa no mundo que a ama, sua irmã. Ela é doada por seu pai a Sinhô, que a trata mais como escrava do que como esposa. Grande parte da brutalidade com que Sinhô a trata provêm por alimentar uma forte paixão por Docí Avery, uma sensual cantora de blues, que foi sua amante e tem grande influência na vida de Celie. Celie fica muito solitária e compartilha sua tristeza em cartas, a única forma de manter a sanidade em um mundo onde poucos a ouvem, primeiramente com Deus e depois com a irmã, Nettie, que se tornou missionária na África. Conforme a trama se desenvolve, Celie revela seu espírito brilhante, ganhando consciência do seu valor e das possibilidades que o mundo lhe oferece. O livro é narrado em primeira pessoa e tem uma linguagem bastante peculiar de uma “quase analfabeta”.

O PAPEL DE PAREDE AMARELO — Charlotte Perkins Gilman

ISBN-13: 9788503012720
ISBN-10: 8503012723

Ano: 2016 / Páginas: 112
Idioma: português 
Editora: José Olympio


Este clássico da literatura feminista foi publicado originalmente em 1892, mas continua atual em suas questões. Escrito pela norte-americana Charlotte Perkins Gilman, ele narra, em primeira pessoa, a história de uma mulher forçada ao confinamento por seu marido e médico, que pretende curá-la de uma depressão nervosa passageira. Proibida de fazer qualquer esforço físico e mental, a protagonista fica obcecada pela estampa do papel de parede do seu quarto e acaba enlouquecendo de vez. Charlotte Perkins Gilman participou ativamente da luta pelos direitos das mulheres em sua época e é a autora do clássico tratado Women and Economics, uma das bíblias no movimento feminista. Esta edição de O papel de parede amarelo, que chega às livrarias pela José Olympio, traz prefácio da filósofa Marcia Tiburi.

SEJAMOS TODOS FEMINISTAS — Chimamanda Ngozi Adichie

ISBN-13: 9788535925470
ISBN-10: 8535925473

Ano: 2015 / Páginas: 64
Idioma: português 


Chimamanda Ngozi Adichie ainda se lembra exatamente do dia em que a chamaram de feminista pela primeira vez. Foi durante uma discussão com seu amigo de infância Okoloma. “Não era um elogio. Percebi pelo tom da voz dele; era como se dissesse: ‘Você apoia o terrorismo!’”. Apesar do tom de desaprovação de Okoloma, Adichie abraçou o termo e começou a se intitular uma “feminista feliz e africana que não odeia homens, e que gosta de usar batom e salto alto para si mesma, e não para os homens”. Sejamos todos feministas é uma adaptação do discurso feito pela autora no TEDx Euston, que conta com mais de 1,5 milhão de visualizações e foi musicado por Beyoncé.

AMERICANAH — Chimamanda Ngozi Adichie

ISBN-13: 9788535924732
ISBN-10: 8535924736

Ano: 2014 / Páginas: 516
Idioma: português 
Editora: Companhia das Letras


Lagos, anos 1990. Enquanto Ifemelu e Obinze vivem o idílio do primeiro amor, a Nigéria enfrenta tempos sombrios sob um governo militar. Em busca de alternativas às universidades nacionais, paralisadas por sucessivas greves, a jovem Ifemelu muda-se para os Estados Unidos. Ao mesmo tempo que se destaca no meio acadêmico, ela se depara pela primeira vez com a questão racial e com as agruras da vida de imigrante, mulher e negra. Quinze anos mais tarde, Ifemelu é uma blogueira aclamada nos Estados Unidos, mas o tempo e o sucesso não atenuaram o apego à sua terra natal, tampouco anularam sua ligação com Obinze. Quando ela volta para a Nigéria, terá de encontrar seu lugar num país muito diferente do que deixou e na vida de seu companheiro de adolescência. Chimamanda Ngozi Adichie parte de uma história de amor para debater questões prementes e universais como imigração, preconceito racial e desigualdade de gênero.

COMO SE ENSINA A SER MENINA — Montserrat Moreno

ISBN-13: 9788516023638
ISBN-10: 851602363X

Ano: 1999 / Páginas: 80
Idioma: português 
Editora: UNICAMP/Moderna


Estamos habituados a pensar segundo uma concepção androcênica - o homem como ser humano e "masculino" no centro dos acontecimentos. Montserrat Moreno pôde verificar, ao longo das investigações que conduziu, a presença do sexismo na escola e, consequentemente, no ensino. Mas acredita na possibilidade de superação deste quadro. Segundo ela, as grandes realizações da humanidade foram, em algum momento, utopias e, para construí-las, foi nesessário um dia sonhar. Ela vai a fundo em sua análise e propõe que a escola rechace e critique todo pretenso fundamento científico em nome do qual se discrimina a mulher, como uma forma de romper a cadeia de transmissão do androcentrismo.

UNIVERSO DESCONSTRUÍDO — VÁRIOS AUTORES

Ano: 2013 / Páginas: 287
Idioma: português 

Editora: Ed. Independente


Ficção científica feminista é um sub-gênero de ficção científica, que tende a lidar com o papel da mulher na sociedade. A ficção científica feminista levanta questões sobre as questões sociais como a forma como a sociedade constrói os papéis de gênero, qual o papel da reprodução na definição de gênero e o poder político e pessoal desigual entre homens e mulheres. Algumas das mais notáveis ​​obras de ficção científica feminista ilustraram estes temas usando utopias para explorar uma sociedade na qual não existem diferenças de gênero ou desequilíbrios de poder de gênero, ou distopias para explorar mundos em que as desigualdades de gênero são intensificadas, afirmando, assim, que o trabalho feminista deve continuar.

A REIVINDICAÇÃO DOS DIREITOS DA MULHER —Mary Wollstonecraft

ISBN-13: 9788575594704
ISBN-10: 8575594702

Ano: 2016 / Páginas: 256
Idioma: português 
Editora: Boitempo Editorial


Considerado um dos documentos fundadores do feminismo, o livro denuncia a exclusão das mulheres do acesso a direitos básicos no século XVIII, especialmente o acesso à educação formal. Escrito em um período histórico marcado pelas transformações que o capitalismo industrial traria para o mundo, o texto discute a condição da mulher na sociedade inglesa de então, respondendo a filósofos como John Gregory, James Fordyce e Jean-Jacques Rousseau.


Libertária, Mary Wollstonecraft fez de sua própria vida uma defesa da emancipação feminina: envolveu-se na Revolução Francesa e foi uma precursora do amor livre. Tendo falecido logo após o parto de sua segunda filha, não pôde vê-la tornar-se, também, uma famosa escritora: Mary Shelley, a autora de Frankenstein. Extremamente revolucionário para a época, Reivindicação dos direitos da mulher foi traduzido para vários idiomas, se tornou uma referencia teórica para as precursoras do feminismo contemporâneo, como Simone de Beauvoir, e uma leitura essencial para as discussões de gênero.

"Reivindicação dos direitos da mulher resulta tanto de uma trajetória de lutas militantes de Mary como de seus enfrentamentos contra a moral sexista e conservadora da época", diz Maria Lygia Quartim de Moraes, que assina o prefácio. Citando a feminista britânica Sheila Rowbotham, ela argumenta que Mary, "como mulher de razão e mulher de natureza", personifica a tensão e as fissuras do Iluminismo, e que a leitura deste livro - escrito em linguagem direta e marcante - "desperta um sentimento de admiração por essa jovem mulher, capaz de superar tantos obstáculos, que lutou obstinadamente para ser feliz e foi muito além dos limites que seu tempo permitia".

A edição também traz texto de orelha de Diana Assunção, historiadora e militante dos direitos das mulheres (ISKRA); uma cronologia da vida e obra de Mary Wollstonecraft e uma página sobre trajetória da escritora em quadrinhos, de Fred Van Lente (adaptação) e Ryan Dunlavey (arte), publicada originalmente na antologia Cânone gráfico, volume 1: clássicos da literatura universal em quadrinhos (Barricada, 2014).


DA GUERRILHA À IMPRENSA FEMINISTA — VÁRIOS AUTORES

ISBN-13: 9788564586598
ISBN-10: 8564586592

Ano: 2013 / Páginas: 312
Idioma: português 
Editora: Intermeios


As mulheres que lutaram contra a ditadura militar traziam a irreverência, a paixão e a rebeldia da resistência. Uma boa parte destas militantes políticas contribuíram para a retomada do feminismo dos anos de 1970 adotando uma nova forma de pensar e fazer política, buscando politizar as relações cotidianas e transformar a qualidade das relações entre mulheres e homens. Lutaram, também, por liberdades democráticas, pela Anistia e pelo fim da ditadura. Houve aquelas que alavancaram a partir do feminismo a luta pela emancipação humana, por uma sociedade de mulheres e homens livres. Este livro é uma reflexão sobre o feminismo dos anos de 1970, que se caracteriza como pertencente à segunda onda do movimento de mulheres, e que tem na imprensa feminista, de 1975 a 1980, um espaço de militância, de resistência e de divulgação das ideias feministas e socialistas. A narrativa é feminista e se faz pelos textos dos jornais Brasil Mulher e Nós Mulheres e pela fala das protagonistas como sujeitos desta ação.

BREVE HISTÓRIA DO FEMINISMO — Carla Cristina Garcia


ISBN-13: 9788588386631
ISBN-10: 8588386631

Ano: 2011 / Páginas: 120
Idioma: português 
Editora: Claridade


O feminismo pode ser definido como a tomada de consciência das mulheres como coletivo humano da opressão e exploração por parte do coletivo de homens no seio do patriarcado sob suas diferentes fases históricas. Desta forma, se articula como filosofia política e, ao mesmo tempo, como movimento social. É, ainda, uma consciência crítica sobre as tensões e contradições que encerram todos esses discursos que intencionalmente confundem o masculino com o universal.

FEMINISMO E POLÍTICA — Flávia Biroli

ISBN-13: 9788575593967
ISBN-10: 857559396X

Ano: 2014 / Páginas: 200
Idioma: português 
Editora: Boitempo


Na teoria política produzida nas últimas décadas, a contribuição do feminismo se mostrou crucial. O debate sobre a posição das mulheres nas sociedades contemporâneas abriu portas para tematizar, questionar e complexificar as categorias centrais por meio das quais era pensado o universo da política, tais como as noções de indivíduo, de espaço público, de autonomia, de igualdade, de justiça e de democracia. Não é mais possível discutir a teoria política ignorando ou relegando às margens a teoria feminista, que, neste sentido, é um pensamento que parte das questões de gênero mas vai além delas, reorientando todos os nossos valores e critérios de análise.


O livro apresenta e discute as principais contribuições da teoria política feminista produzida a partir dos anos 1980. São apresentados os termos em que os debates se colocam dentro do próprio feminismo, mapeando as posições de diferentes autoras e correntes. O resultado é um panorama inédito da teoria política feminista atual, escrito de maneira a introduzir os leitores pouco familiarizados nas discussões, sem por isso reduzir sua complexidade


MINHA HISTÓRIA DAS MULHERES — Michelle Perrot

ISBN-13: 9788572443487
ISBN-10: 8572443487

Ano: 2007 / Páginas: 192
Idioma: português 
Editora: Contexto


Minha história das mulheres é a obra mais acessível e instigante da historiadora Michelle Perrot. Nasceu de um programa de rádio francês que fez enorme sucesso ao divulgar com clareza e entusiasmo, para um público de não especialistas, o conteúdo de mais de 30 anos de pesquisas e reflexões acadêmicas. Transformado em livro, depois traduzido e publicado no Brasil pela Editora Contexto, narra em cinco capítulos o processo da crescente visibilidade das mulheres em seus combates e suas conquistas nos espaços público e privado. Mães e feiticeiras, trabalhadoras e artistas, prostitutas e professoras, feministas e donas-de-casa e muitas outras personagens femininas fazem parte desse relato sensível e atual de uma das pesquisadoras mais conceituadas da história das mulheres. 

MULHERES — CECÍLIA TOLEDO
ISBN-13: 9788575870204

ISBN-10: 8575870203
Ano: 2003 / Páginas: 148
Idioma: português 
Editora: sundermann




Este estudo analisa a origem da opressão da mulher, combate teorias que se baseiam na 'inferioridade' e questiona a concepção de que a opressão se refere ao problema do gênero. Oferece um enfoque classista da luta contra a opressão, demonstrando que nenhum fenômeno dentro do capitalismo pode ser analisado dissociado de sua base material.

A NOVA MULHER A MORAL SEXUAL — Alexandra Kollontai
ISBN-13: 9788587394132

ISBN-10: 8587394134
Ano: 2003 / Páginas: 176
Idioma: português 
Editora: Expressão Popular


"Alexandra Kolontai foi uma das líderes da primeira revolução socialista. Os dois textos que publicamos refletem o aprendizado político e as conquistas da revolução na construção das novas relações de classe e gênero. Faz uma análise da situação da mulher na sociedade burguesa, comprimida por um código moral em que a propriedade privada era – e ainda é – prioridade, a ela tudo se sujeitando. E, a partir das conquistas da revolução, apresenta a necessidade da reorientação no comportamento do homem e da mulher, participantes da nova estrutura social que a revolução engendrou: um amor-companheiro, com direitos e responsabilidades iguais, com respeito à individualidade, com apoio mútuo... Dois textos compõem esta obra: O primeiro (1918) apresenta uma crítica à situação da mulher na sociedade burguesa, comprimida por um código moral em que a propriedade privada era – e ainda é – prioridade, a ela tudo se sujeitando. O segundo (1921) trata da necessidade de uma reorientação no comportamento do homem e da mulher, partícipes da nova estrutura social que a revolução bolchevique engendrou..."

O QUE É FEMINISMO — BRANCA MOREIRA ALVES
ISBN-13: 9788511010442

ISBN-10: 8511010440
Ano: 1982 / Páginas: 84
Idioma: português 
Editora: Brasiliense


Feminismo: um termo que traduz todo um processo desenvolvido ao longo da História, e que continua a ser trabalhado diariamente, em todos os espaços da vida social. Como todo processo de transformação, contém contradições, avanços, recuos, medos e alegrias. Para entendê-lo, é preciso confrontar a situação da mulher na sociedade antiga, medieval e moderna, buscar suas raízes enquanto movimento político e desvendar a ideologia que ainda hoje outorga direitos, deveres e comportamentos distintos para homens e mulheres.

HISTÓRIA DAS MULHERES NO BRASIL — Mary Del Priore
ISBN-13: 9788572442565

ISBN-10: 8572442561
Ano: 2004 / Páginas: 678
Idioma: português 
Editora: Unesp - Contexto


Este livro se propõe a contar a história das mulheres. Pretende fazê-lo atingindo a todos os tipos de leitores e leitoras: Adultos, jovens, especialistas e curiosos, estudantes e professores. É um livro que procura arrastá-los numa viagem através do tempo, fazendo-os ver, ouvir e sentir como nasceram, viveram e morreram as mulheres, o mundo que as cercava, do Brasil colonial aos nossos dias. A história da mulheres não é só delas, é também aquela da família, da criança, do trabalho, da mídia, da literatura e das suas imagens frente à sociedade. É a história do seu corpo, da sua sexualidade, da violência que sofreram e que praticaram, da sua loucura, dos seus amores e dos seus sentimentos. Escritas por duas dezenas de pesquisadores, as histórias aqui contadas refletem as mais variadas realidades: o campo e a cidade, o norte o sudeste e o sul. Os mais diferentes espaços: a casa e a rua, a fábrica e o sindicato, o campo e a escola, a literatura e as páginas de revista. E, finalmente, os múltiplos extratos sociais: escravas, operárias, sinhazinhas, burguesas, heroínas românticas, donas de casa, professoras, bóias-frias. Este livro ainda traz um belíssimo e inédito texto da escritora Lygia Fagundes Telles.

PRECONCEITO CONTRA "A MULHER" — SANDRA AZERÊDO 
ISBN-13: 9788524908323

ISBN-10: 8524908327
Ano: 2007 / Páginas: 120
Idioma: português 
Editora: Cortez


Preconceito contra a mulher? À primeira vista, pareceria absurdo falar em preconceito contra a mulher, já que as mulheres estão em toda parte. Este livro faz uma genealogia da "mulher" entre aspas. Mulher está entre aspas justamente para enfatizar que não existe uma essência de mulher que estaria na origem do preconceito contra ela. A genealogia é um método proposto por Nietzsche e utilizado por Michel Foucault, que tem como objetivo justamente desafiar a busca de origem, que tenta capturar a essência e a identidade. Sumário: Apresentação. Introdução – A produção e manutenção do preconceito contra mulher. 1. Mulher e filosofia – A construção da "mulher" em fragmentos da filosofia ocidental; 2. Teoria feminista – As (dês)construções dos conceitos pelas mulheres; 3. Concluindo – Algumas anotações sobre a amizade. Referências bibliográficas. Glossário.

PARA UMA CIÊNCIA DA LIBERTAÇÃO DA MULHER — Isabel Larguia

A questão feminina é por demais abrangente para reduzir-se apenas a alguns tópicos, mais de superfície que de interesse. A imagem que dela se tem, ainda predominante, é a dos Movimentos Feministas com reivindicações e manifestos. "Para uma Ciência da Libertação da Mulher" insere-se neste contexto visto que, procura caracterizar o papel da mulher não apenas dentro dos movimentos. Situa a mulher dentro de um contexto histórico e, surge a necessidade de uma Ciência. É dentro destas coordenadas que o livro deve ser lido.

NOVA HISTÓRIA DAS MULHERES NO BRASIL — Carla Bassanezi Pinsky

ISBN-13: 9788572447300

ISBN-10: 857244730X
Ano: 2012 / Páginas: 560
Idioma: português 
Editora: Contexto

Afinal, o que querem as mulheres? O que já conquistaram ao longo do século XX e início do século XXI? Que caminhos deverão seguir daqui para frente? Essas são algumas das questões que as autoras - especialistas em diferentes áreas do conhecimento - respondem neste livro. Estudantes, professores e pesquisadores se beneficiam de uma obra abrangente e atualizada sobre o assunto. Responsáveis por políticas públicas encontram aqui material para ajudar a executá-las. Ativistas, militantes de movimentos sociais, feministas e ONGs podem, com este livro, alicerçar melhor suas demandas. Jornalistas e profissionais das áreas de Direito, Saúde e Educação ganham subsídios para desenvolver com mais qualidade o seu trabalho. "Nova História das Mulheres" destina-se, além de tudo, a homens e mulheres que acreditam que compreender as relações sociais por meio da História contribui para melhorar o entendimento entre as pessoas. Um livro para todos os públicos.

PROBLEMAS DE GÊNERO — Judith Butler

ISBN-13: 9788520006115

ISBN-10: 8520006116
Ano: 2015 / Páginas: 287
Idioma: português 
Editora: Civilização Brasileira

Judith Butler propõe observar, de maneira geral, o modo como as fábulas de gênero estabelecem e fazem circular sua denominação considerada por ela como errônea de fatos naturais. Os textos estão reunidos de modo a facilitar uma convergência política das perspectivas feministas, gays e lésbicas sobre o gênero com a da teoria pós-estruturalista.



O CONTO DA AIA — MARGARET ATWOOD

ISBN-13: 9788532520661

ISBN-10: 8532520669
Ano: 2006 / Páginas: 368
Idioma: português 
Editora: Rocco

A história de O Conto da Aia, da canadense Margaret Atwood, passa-se num futuro muito próximo e tem como cenário uma república onde não existem mais jornais, revistas, livros nem filmes – tudo fora queimado. As universidades foram extintas. Também já não há advogados, porque ninguém tem direito a defesa. Os cidadãos considerados criminosos são fuzilados e pendurados mortos no Muro, em praça pública, para servir de exemplo enquanto seus corpos apodrecem à vista de todos. Para merecer esse destino, não é preciso fazer muita coisa – basta, por exemplo, cantar qualquer canção que contenha palavras proibidas pelo regime, como "liberdade". Nesse Estado teocrático e totalitário, as mulheres são as vítimas preferenciais, anuladas por uma opressão sem precedentes. O nome dessa república é Gilead, mas já foi Estados Unidos da América.

Como tudo pôde mudar tão rapidamente? Offred, a narradora, responde: "Foi depois da catástrofe, quando mataram a tiros o presidente e metralharam o Congresso, e o Exército declarou estado de emergência. Na época, atribuíram a culpa aos fanáticos islâmicos. Mantenham a calma, diziam na televisão. Tudo está sob controle. (...) Foi então que suspenderam a Constituição. Disseram que seria temporário. Não houve sequer um tumulto nas ruas. As pessoas ficavam em casa à noite, assistindo à televisão, em busca de alguma direção. Não havia mais um inimigo que se pudesse identificar." Não, este não é um romance pós-atentados terroristas de 11 de setembro de 2001. Margaret Atwood, a grande dama da literatura contemporânea em língua inglesa, publicou-o originalmente em 1985. O livro já é um clássico, há muitos anos adotado nos colégios ingleses, canadenses e americanos. E agora ganha tradução para o português.

As mulheres de Gilead não têm direitos. Elas são divididas em categorias, cada qual com uma função muito específica no Estado – há as esposas, as marthas, as salvadoras etc. À pobre Offred coube a categoria de aia, o que significa pertencer ao governo e existir unicamente para procriar. Uma catástrofe nuclear tornou estéril grande parte das pessoas, de modo que as mulheres férteis agora são preciosidades. Transformadas em aias, elas são entregues a algum homem casado do alto escalão do exército e obrigadas a fazer sexo com eles até engravidar. Portanto, a cada mês, menstruar é fracassar. E quando elas engravidam, dão à luz e amamentam a criança por alguns meses, sendo que o bebê é propriedade do casal que as escravizou. Após o período de amamentação, elas são entregues a outro homem e passam pelo mesmo martírio novamente, agora com outro nome – Offred é "of Fred", "de Fred", "pertencente ao homem chamado Fred". Ao longo da vida, uma aia pode ter vários donos e, portanto, vários nomes: Ofglen, Ofcharles, Ofwayne...

As aias são controladas e vigiadas dia e noite. Elas não têm permissão para escrever nem ler, só podem ir ao banheiro um determinado número de vezes por dia e não devem permitir que nenhum homem veja qualquer parte do seu corpo exposta, nem mesmo os braços. O ideal é que nem seu rosto seja mostrado. É uma vida triste, mas um destino melhor que o das não-mulheres, como são chamadas aquelas que não podem ter filhos, as homossexuais, viúvas e feministas, condenadas a trabalhos forçados nas colônias, lugares onde o nível de radiação é mortífero.

Offred tem 33 anos. Antes, quando seu país ainda se chamava Estados Unidos, ela era casada e tinha uma filha. Mas o novo regime declarou adúlteros todos os segundos casamentos, assim como as uniões realizadas fora da religião oficial do Estado. Era o caso de Offred. Por isso, sua filha lhe foi tomada e doada para adoção, e ela foi tornada aia, sem nunca mais ter notícias de sua família. É uma realidade terrível, mas o ser humano é capaz de se adaptar a tudo. Offred escreve em seu diário proibido: "A sanidade é um bem valioso: eu a amealho e guardo escondida, como as pessoas antigamente amealhavam e escondiam dinheiro. Economizo sanidade, de maneira a vir a ter o suficiente quando chegar a hora."

Com esta história assustadora, Margaret Atwood leva o leitor a refletir sobre liberdade, direitos civis, poder, a fragilidade do mundo tal qual o conhecemos, o futuro e, principalmente, o presente. O conto da aia já foi transformado em filme, peça de teatro, ópera, audiolivro e dramatização radiofônica.

O HISTÓRICO INFAME DE FRANKIE LANDAU BANKS — E. LOCKHART
ISBN-13: 9788565765206

ISBN-10: 8565765202
Ano: 2013 / Páginas: 344
Idioma: português 
Editora: Seguinte

Aos catorze anos, Frankie Landau-Banks era uma garota comum, um pouco nerd, que frequentava a Alabaster, uma escola tradicional e altamente competitiva. Mas tudo muda durante as férias. Na volta às aulas para o segundo ano, o corpo de Frankie havia se desenvolvido, e ela havia adquirido muito mais atitude. Logo ela chama a atenção de Matthew Livingston, o cara mais popular do colégio, que se torna seu novo namorado e a apresenta ao seu círculo de amigos do último ano. Então Frankie descobre que Matthew faz parte de uma lendária sociedade secreta - a Leal Ordem dos Bassês -, que organiza traquinagens pela escola e não permite que garotas se juntem ao grupo. Mas Frankie não aceitará um "não" como resposta. Esperta, inteligente e calculista, ela dará um jeito de manipular a Leal Ordem e levantará questionamentos sobre gênero e poder, indivíduos e instituições. E ainda tentará descobrir se é possível se apaixonar sem perder a si mesma.

MULHERES BRASILEIRAS E GÊNERO NOS ESPAÇOS PÚBLICOS E PRIVADO — GUSTAVO VENTURI
MULHERES BRASILEIRAS E GÊNERO NOS ESPAÇOS PÚBLICOS E PRIVAA iniciativa da Fundação Perseu Abramo (FPA), em parceria com as Edições Sesc SP, ao realizar uma pesquisa nacional de opinião pública com o intuito de atualizar os dados realizados dez anos antes e introduzir novas questões e perspectivas, deu fruto ao livro “Mulheres Brasileiras e Gênero nos Espaços Público e Privado: Uma Década de Mudanças na Opinião Pública“. A obra conta com prefácio da ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci. Entre os temas abordados, destacam-se: Percepção de Ser Mulher: Feminismo e Machismo, Divisão Sexual do Trabalho e Tempo Livre, Corpo, Mídia e Sexualidade, Saúde Reprodutiva e Aborto, Violência Doméstica e Democracia, Mulher e Política.O — GUSTAVO VENTURI

VAMOS JUNTAS? — Babi Sousa
ISBN-13: 9788501107510

ISBN-10: 8501107514
Ano: 2016 / Páginas: 144
Idioma: português 
Editora: Galera Record

Toda mulher já se sentiu insegura na hora de sair sozinha na rua. O risco de ser abordada, perseguida ou assediada é uma realidade. Mas, um dia, uma moça chamada Babi Souza teve uma ideia simples e revolucionária: da próxima vez em que você estiver sozinha, olhe para os lados. Pode ter outra mulher andando na mesma direção. Por que não vão juntas? Logo, o movimento “Vamos Juntas?” conquistou moças em todo o Brasil, se tornando um símbolo de união feminina e feminismo, na defesa por direitos iguais entre homens e mulheres. Aos poucos, muitas mulheres mudaram sua forma de enxergar o dia a dia e a moça ao lado. Além de dados sobre o feminismo, que mostram como ainda há tanto a ser conquistado, este guia traz relatos de mulheres que aprenderam, junto ao “Vamos Juntas?”, a enxergar companheiras umas nas outras. A se unir, ao invés de rivalizar.

NÓS, MADALENAS — MARIA RIBEIRO
ISBN-13: 9788568252819

ISBN-10: 8568252818
Ano: 2016 / Páginas: 213
Idioma: português 
Editora: Fonte

Escolher uma só palavra para explicar o que o feminismo significa na vida das mulheres é um desafio e pode até cair na armadilha de ser uma ação arbitrária e limitadora. Porém, quando mulheres de diferentes contextos sociais, corpos e significados se reúnem para nomear o feminismo com várias dezenas de palavras, o desafio se torna aprendizado e um exercício do que há de melhor na coletividade.


HISTÓRIA ORAL, FEMINISMO E POLÍTICA — DAPHNE PATAI
ISBN-13: 9788562959028

ISBN-10: 8562959022
Ano: 2010 / Páginas: 163
Idioma: português 
Editora: Letra e Voz

'História oral, feminismo e política' é um livro de ensaios que reúne parte da obra da estudiosa Daphne Patai em torno dos temas que compõem o título. Os ensaios delineiam os trajetos das ideias da pensadora que trafegou por campos como literatura brasileira e comparada, estudos feministas, estudos utópicos e guerras culturais, entre outros, além da história oral. Na obra, a autora levanta questões cruciais para o entendimento da história oral no cenário intelectual, político e social contemporâneo, em debates tanto sobre os problemas internos da metodologia como sobre seus propósitos e usos.

DICIONÁRIO CRÍTICO DO FEMINISMO — Helena Hirata
ISBN-13: 9788571399877

ISBN-10: 8571399875
Ano: 2009 / Páginas: 341
Idioma: português 
Editora: UNESP

Com o objetivo de estimular a reflexão crítica sobre a construção social da hierarquia entre os sexos e, dessa forma, desenvolver um pensamento crítico feminista que favoreça a emancipação das mulheres e a igualdade na diferença, o Dicionário Crítico do Feminismo traz uma coletânea de rúbricas redigidas por autoras(es) especializadas(os)em cada uma das temáticas abordadas. Isto permite integrar uma pequena dimensão nacional num contexto marcado mundialmente pela dominação das mulheres pelos homens que, ao longo dos séculos, tem-se transformado e assumido novas formas que se sustentam e se fortalecem, por um lado, nos códigos sociais estabelecidos há décadas e impostos desde a infância e, por outro, em algumas políticas públicas (sociais, familiares, desemprego).

FEMINISMO EM MOVIMENTO — Lia Zanotta Machado





Feminismo em Movimento" pretende apontar um duplo sentido - o sentido literal da movimentação feminista e o sentido metafórico do diálogo, continuamente em movimento, entre a perspectiva feminista e a perspectiva das ciências sociais, especialmente a antropológica. Aqui há um histórico do movimento feminista no Brasil, centrado no combate à violência contra as mulheres e nos direitos reprodutivos e sexuais, tal como nucleado em torno da descriminalização e legalização do aborto.
FEMINISMO E CONSCIÊNCIA DE CLASSE NO BRASIL — MELA CISNE

ISBN-13: 9788524922916

ISBN-10: 8524922915
Ano: 2014 / Páginas: 276
Idioma: português 
Editora: Cortez Editora




Nesta obra, a autora apresenta um brilhante estudo dos movimentos de mulheres brasileiras. Com radicalidade e ousadia, debruça-se sobre a formação da consciência militante feminista na luta de classes. O resultado é uma obra vibrante, que aponta os desafios da construção do sujeito revolucionário, individual e coletivo.


O MITO DA BELEZA — Naomi Wolf


ISBN-13: 9788532501318
ISBN-10: 8532501311
Ano: 1992 / Páginas: 440
Idioma: português 
Editora: Rocco


Liberada, profissionalmente capaz de competir com os homens em todos os níveis, ativa, apta a lidar com a dupla jornada - trabalho e lar -, a mulher de hoje enfrenta, na realidade, uma tripla jornada. Nas horas de folga de suas múltiplas atribuições, ela investe obsessivamente em sua beleza, para manter a juventude e a formosura que lhe permitirão preservar justamente trabalho e lar.

O Pensamento Feminista e a Estrutura do Conhecimento — Mary Mccanney Gergen 

O pensamento feminista e a estrutura do conhecimento oferece uma reflexão sobre práticas pedagógicas que suscitam o autoconhecimento e ao mesmo tempo levantam questões para o estudo de mulheres em campos que apresentam uma visão estereotipada, ou omitiram a análise do comportamento das mulheres. Como a maioria das contribuições é proveniente de vários ramos da psicologia (ou de ciências humanas afins), o tema principal do livro versasobre a relação entre subjetividade e objetividade. Analisando o subjetivismo em campos pseudocientíficos e científicos, autores e autoras demonstram que se dar conta do subjetivismo contido nas tendenciosidades de gênero contribui para o progresso do conhecimento. Embora as perspectivas variem desde uma visão essencialista da natureza humana, centrada em determinantes biológicos, até outra que concede ênfase aos fatores sociais, os trabalhos oferecem subsídios para a constituição de novas formas de conhecimento que tornem as mulheres visíveis.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.