Ads Top

[RESENHA] (DES)AMOR — Pedro Penycook


ISBN-13: 9788555269363

ISBN-10: 8555269369
Ano: 2017 / Páginas: 154
Idioma: português 
Editora: Autografia
Avaliação:10/10



"Pouco há, do nascer à morte, que seja mais essencial que o amor. Não surpreende que tantos e tantos artistas dediquem a maior parte de suas vidas tentando, dele enebriados, eternizá-lo em suas obras. O livro que tem em mãos traz uma visão holística do amar: do ardor agoniante da chama inicial, às mordazes acusações de seu despetalar, pincelando magistralmente todas as minúcias e pormenores do durante. Em versos seguros que demonstram um amplo conhecimento das paixões, das relações e do mundo, o leitor terá a clara impressão de estar diante de alguém já muito vivido, a cada linha aumentando seu espanto sobre as poucas primaveras do poeta. Pennycook, já em sua estreia, apresenta todos os vícios e virtudes de um amante assaz calejado."Rodrigo Silvestre, amigo e poeta.

Não é atoa que a poesia é o refúgio do condenado, do incompreendido, do culpado ou do apaixonado. A poesia é o único gênero literário que se exige uma maior complexabilidade para elaboração, visto que, o poeta não narra, ele descreve e por mais que pareçam a mesma coisa, não é. Escrever é fácil, se expressar é difícil. Nem todo mundo que escreve, se expressa, a maioria, só narra. Narrar nem sempre é vivenciar ou relatar o vivenciado. Expor aquilo o que se foi ou se é, é difícil. Existe uma certa linha tênue dentro do olhar de quem se atreve a se aventurar em uma poesia, algo além do olhar, além daquilo o que podemos enxergar, algo chamado experiência.

Em (DES)AMOR, iremos conhecer as multifacetadas do amor. Do inebriar, ao parco, do cair ao levantar, do conhecer ao se arrepender, do querer ao rejeitar, do deitar ao levantar, da paixão ao tesão, da chama as cinzas. Um misto do querer com o poder, ter, sentir, aproximar, viajar, arrepender, possuir, conter, morrer — PARA SI, na maioria das vezes.

Todo detalhamento do antes, do agora, do depois e do amanhã. O amor é de fato um sonho utópico para muitos, inclusive para aqueles que escrevem sobre. Uma visão profunda sobre o que é amar e ser amado, ou amar e não ser correspondido, ou, simplesmente amar. (DES)AMOR é muito mais que uma coletânea de poemas, é talvez, o reflexo da alma de alguém que não se aguentava de tanto poema e transcendeu para as páginas de um livro.

COMENTÁRIOS

O livro foi impresso pela editora autografia em papel papel pólen soft 80g/m², com capa em acabamento brochura, composto em sabon next.

O livro possui uma linguagem peculiar que na maioria das vezes intensifica-se e aprimora-se a cada folhear. Uma visão utópica para uns, para outros nem tanto. O amor como sendo o inebriado narrado em primeira pessoa do singular, como figura, como representante, como coadjuvante e como principal. O livro de Pedro Penycook possui uma linguagem contemporânea, direta, clara e objetiva. Apaixonados pela paixão, pelo amor e pelas facetas que a vida nos apresenta na vida com relação ao sentimento, devem ler este livro como se estivessem devorando com alma a pessoa que deixa em estado de transe aos pensamentos, aos prantos e ao sentimento. 

O AUTOR

Recifense, Pedro Pennycook nasceu artista. Escreveu seu primeiro conto aos 13 anos, não parando de experimentar a escrita desde então. Participou do Conservatório Pernambucano de Música, fazendo das melodias uma grande influência para seus poemas. Passando pelas áreas visuais, trabalhou com programação estética e design; posteriormente, trazendo para a escrita a engenharia minimalista e visual dessas áreas, tão presente em toda sua obra.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.