Header Ads

[RESENHA #121] Epicuro em meu Jardim - Marcos Welinton Freitas por Regiane Nunes





Ficha Técnica


Título: Epícuro em Meu Jardim
Escritor: Marcos Welinton Freitas
Editora: Multifoco
Edição: 1ª
ISBN: 978-85-9612-061-7
Número de Páginas: 108
Ano: 2016
Assunto: Literatura brasileira





Sinopse:



A vida às vezes nos põe no poço, abrindo feridas que parecem nunca cicatrizar. Foi assim com Hedonê, que, após perder o grande amor da sua vida, foi abraçada pela tristeza a ponto de perder o único tesouro capaz de salvá-la.O nome do tesouro? A literatura.A poesia deixou de lhe fazer companhia. Outrora brilhante, tornou-se uma escritora falida, sem muito o quê dizer ao mundo e sem interesse de continuar viva. Para aplacar sua dor e voltar a ser como era antes, decidiu incorporar toda a luxúria e sair às ruas em busca de corpos que pudessem lhe proporcionar o prazer para lhe afastar do vazio.Nessa busca compulsiva por uma saciedade perdida, o encontro com Eros, o jovem fotógrafo que a arranca de sua zona de desconforto, a faz repensar a vida e na sua obrigação de seguir em frente. Por tudo isso, acompanhe os passos de quem perdeu as esperanças, e poderá entender que o prazer transcenderá as sombras do passado.


Resenha:

Tenho que confessar que recebi e comecei a leitura do livro “Epicuro Em Meu Jardim”, fiquei já de início assombrada com o enorme potencial do jovem escritor e poeta Marcos Welinton Freitas. É um livro marcado por uma forte sensualidade, erotismo e lirismo. Profano, o escritor exalta a sensualidade e a volúpia de Hedonê e o seu momento de superação após uma grande perda.

Em sua produção lírica Marcos Welinton mostra, uma personagem angustiada em face à vida e ao amor e que encontra no sexo o prazer para afastar toda temeridade do caos onde está mergulhada. Além disso, ao mesmo tempo que o amor desperta os desejos corporais, a personagem é assaltada pela dor e desespero.

Herdeiro de uma escrita original e carregada de erotismo, posso compará-lo ao poeta Gregório de Matos, para o Marcos Welinton, a escrita deve revelar emoções transformadas ou fingidas, dono de uma alma inquieta e conturbada, o autor do profano olha sem reservas para a morbidez subjacente que sua sensibilidade aguçada não era capaz de tolerar e celebra o êxtase e a luxúria, os arrebatamentos da carne e seus tormentos. O livro pode ser considerado um dos mais belos e romances publicado até hoje. Vale a pena tê-lo em sua estante.



Gostaram da resenha? Deixem sua opinião nos comentários.

Beijos. 
Tecnologia do Blogger.